Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Suécia corta financiamento a ONG que acatem medida de Trump contra aborto

Logótipo de O Jogo O Jogo 11/07/2017 Administrator

A Suécia ameaçou hoje cortar o financiamento às organizações que deixarem de prestar ajuda e aconselhamento sobre aborto e meios de contraceção por receio de perderem o financiamento dos Estados Unidos após um decreto do Presidente Donald Trump.

Três dias depois de ter tomado posse, em janeiro passado, Trump reintroduziu nos Estados Unidos a proibição de financiamento público de organizações não-governamentais (ONG) internacionais que realizam abortos ou dão informação sobre o processo de interrupção voluntária da gravidez.

"Os acordos podem ser denunciados e a ajuda financeira cancelada", advertiu a Agência Sueca de Cooperação Internacional e Desenvolvimento (Sida, na sigla em inglês).

"O apoio da agência à defesa dos direitos a uma saúde sexual e reprodutiva não sofreu qualquer alteração", declarou a diretora-geral do organismo estatal, Carin Jamtin, antiga ministra social-democrata para a pasta da Cooperação.

E salientou: "À escala mundial, os abortos clandestinos representam cerca de 13% da mortalidade materna, e nos países pobres esse número é muito maior".

A decisão da administração Trump representou um duro golpe para as organizações não-governamentais que prestam serviços nesta área. Segundo dados estimados pelas autoridades holandesas, a falta de verbas destas organizações ronda os 600 milhões de euros.

No ano corrente, a agência sueca decidiu atribuir 17,6 milhões de euros suplementares para apoiar as organizações afetadas pela medida norte-americana.

De acordo com a agência estatal, a Suécia gasta anualmente cerca de 7% da sua ajuda para o desenvolvimento em questões relacionadas com a sexualidade.

"A Suécia é um país muito avançado no que diz respeito à igualdade de géneros. A educação sexual nas escolas existe desde a década de 1950 e a promoção dos direitos relacionados com a saúde sexual e reprodutiva, incluindo o direito ao aborto, goza de um amplo apoio" no seio da opinião pública, concluiu o organismo estatal sueco.

Trump assinou o diploma contra o aborto um dia após o aniversário, a 22 de janeiro, da decisão de 1973 do Supremo Tribunal Roe vs. Wade, que legalizou o aborto nos Estados Unidos.

A ordem executiva de Trump também proíbe o financiamento, com o dinheiro dos contribuintes, de grupos de pressão que pretendem legalizar o aborto ou promovê-lo como método de planeamento familiar.

Esta disposição legal sobre o aborto tem estado no centro de uma espécie de 'ping-pong' político nos Estados Unidos durante as últimas três décadas, tendo sido imposta pelos governos republicanos e revogada pelos democratas desde 1984.

Mais recentemente, foi o antecessor de Trump, Barack Obama, quem pôs fim à proibição em 2009.

De acordo com as estimativas da associação Marie Stopes International, a proibição de financiamento nos Estados Unidos irá resultar no aparecimento de cerca de 6,5 milhões de gravidezes indesejadas e 2,2 milhões de abortos sem condições.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon