Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Sumol+Compal aumenta lucros para 2,5ME no 1.º semestre

Logótipo de O Jogo O Jogo 01/09/2017 Administrator

A Sumol+Compal registou no primeiro semestre deste ano lucros consolidados de 2,49 milhões de euros, quase nove vezes mais do que os 279 mil euros do mesmo período do ano anterior, foi hoje anunciado.

No relatório e contas enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa refere que no último semestre atingiu um volume de negócios de 172,5 milhões de euros, um aumento de 8,4% face ao período homólogo de 2016, tendo as vendas aumentado 8,8% para 168,5 milhões de euros.

Em Portugal, refere, as vendas cresceram "4,9%, para os 118,5 milhões de euros, beneficiando da evolução positiva de praticamente todas as marcas".

A empresa diz ainda que houve uma recuperação das vendas nos restantes países da Europa e em África, tendo o peso relativo das vendas realizadas nos mercados externos aumentado "de 27% para cerca de 30%".

O resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) atingiu 20,6 milhões de euros, mais 1,9% face ao primeiro semestre de 2016.

A margem bruta da empresa cresceu 8,9% entre janeiro e junho, para 98,1 milhões de euros, correspondendo a 56,9% do volume de negócios.

A dívida remunerada líquida situou-se nos 239,1 milhões de euros no fecho do semestre, abaixo do valor de junho de 2016 (250,2 milhões de euros), mas acima do registado no final desse ano (229,2 milhões de euros).

Para o futuro próximo, em Portugal, a empresa acredita que "as bebidas de alta rotação em que a Sumol+Compal está presente deverão (...) evidenciar um padrão de crescimento moderado beneficiando do aumento da confiança e do rendimento dos consumidores, bem como do incremento do turismo estrangeiro".

Contudo, diz, o "contexto fiscal específico impactará negativamente a categoria das bebidas refrescantes".

Já fora de Portugal, a empresa diz que a instabilidade em Angola, seu principal mercado externo, condiciona a sua atividade.

Assim, a Sumol+Compal considera que "o enquadramento fiscal das bebidas refrescantes em Portugal e as condicionantes económico-financeiras "nos mercados africanos não permite divulgar uma previsão da evolução da rendibilidade operacional para o exercício de 2017", ainda que o volume de negócios deva "apresentar um crescimento moderado".

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon