Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Supremo tribunal sul-coreano autoriza transmissão televisiva de leitura de sentenças

Logótipo de O Jogo O Jogo 25/07/2017 Administrator

A justiça sul-coreana decidiu hoje autorizar câmaras durante a leitura de sentenças, o que deverá permitir a transmissão em direto do final do processo por corrupção da ex-Presidente Park Geun-hye.

O Supremo Tribunal sul-coreano adoptou novas regras sobre a possibilidade de filmar as audiências, em vigor a partir de 01 de agosto.

"A decisão significa que a cobertura em direto pela televisão das decisões dos tribunais de primeira instância e de recurso será autorizada", anunciou o Supremo Tribunal.

O juiz Cho Byung-koo, porta-voz daquela instância, explicou que os magistrados das jurisdições terão competência para autorizar, ou não, a presença das câmaras durante o anúncio da decisão e da pena.

"Se os tribunais decidirem a favor de uma autorização da transmissão em direto em nome do interesse público, esta decisão prevalecerá aos eventuais protestos do arguido", disse.

"Mas no momento da leitura da decisão, as câmaras só poderão filmar o juiz, não o arguido", sublinhou.

Esta decisão vai permitir a transmissão da conclusão do processo de Park, prevista em outubro, e o do herdeiro da Samsung Lee Jae-yong, no final do próximo mês.

Detida desde o final de março, Park, de 65 anos, está a ser julgada por corrupção no escândalo que levou à sua destituição do cargo.

O centro do escândalo é Choi Soon-sil, amiga há 40 anos de Park, acusada de ter aproveitado a sua influência junto da Presidente para conseguir dezenas de milhões de dólares a várias empresas e interferir em assuntos do Estado.

Lee está a ser julgado, também por corrupção, por o seu grupo ter sido dos mais generosos para fundações duvidosas controladas por Choi.

A importância dos arguidos levou os sul-coreanos a mobilizarem-se para conseguir a transmissão televisiva dos processos. Até agora, o Supremo Tribunal tinha apenas autorizado a divulgação 'online' das suas próprias decisões.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon