Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Termina a greve e campeonatos argentinos já podem recomeçar

Logótipo de O Jogo O Jogo 09/03/2017 Hugo M. Monteiro

Acordo entre os sindicatos dos jogadores, ministério do Trabalho e canais de televisão cancelou a greve.

A greve dos futebolistas argentinos em todos os escalões, por salários em atraso, terminou na quarta-feira, anunciou a federação argentina (AFA).

Segundo a AFA, a greve foi cancelada depois de um acordo entre os sindicatos dos jogadores, ministério do Trabalho e os canais de televisão com os direitos de transmissão dos jogos.

O principal campeonato deveria ter recomeçado no fim de semana de 4 e 5 de março, mas a greve dos jogadores impediu o arranque do torneio de encerramento da prova.

O Estado comprometeu-se a pagar parte da dívida, por intermédio dos direitos de transmissão, cerca de 21 milhões de euros. Outra fatia foi canalizada por empresas privadas interessadas em patrocinar o campeonato, com a condição de que a verba fosse encaminhada diretamente para os clubes, que se encarregarão de pagar aos jogadores os salários em falta.

© Reprodução/AFA

No início da semana, o governo argentino já tinha pago 350 milhões de pesos (cerca de 21 milhões de euros) à AFA, o que serviria para ajudar a evitar a greve dos jogadores, que se manteve, porém, até quarta-feira.

O pagamento aconteceu no seguimento da rescisão de contrato de direitos televisivos, estabelecido ainda no governo de Cristina Fernández de Kirchner (2007-2015), segundo o qual os jogos seriam em sinal aberto.

Esta rescisão com o Estado levou a AFA a licitar a transmissão dos jogos, que têm como partes interessadas o grupo espanhol Mediapro e os norte-americanos da ESPN e da Fox/Turner. Falta, no entanto, formalizar a concessão dos direitos televisivos

A AFA é dirigida desde 2016 por uma comissão criada pela FIFA e pela CONMEBOL (Confederação sul-americana), que tinha entre as suas tarefas a formulação de um novo estatuto e a convocação de eleições, que deverão acontecer no próximo mês.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon