Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Terras de Bouro critica ICNF por pôr seguranças a cobrar portagens no Gerês

Logótipo de O Jogo O Jogo 19/07/2017 Administrator

O presidente da Câmara de Terras de Bouro criticou hoje o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) por contratar uma empresa de segurança para a cobrança de "portagens" na Mata da Albergaria, no Parque da Peneda-Gerês.

Em declarações à Lusa, o autarca Joaquim Cracel disse que o município encontraria "facilmente" uma solução "bem menos onerosa" para a cobrança das portagens, ficando o dinheiro sobrante para a manutenção das vias dentro daquela mata.

"Fomos surpreendidos, este ano, com a colocação de uma empresa de segurança, sem que nos tivesse sido dado qualquer conhecimento ou pedida qualquer opinião. E, a partir de agora, não vamos investir nem mais um cêntimo na manutenção das vias", referiu.

Segundo Joaquim Cracel, a cobrança de "portagens" de 1,5 euros por cada carro que, no verão, entra na Mata da Albergaria rende anualmente cerca de 70 mil euros.

"Há uns anos, a cobrança era feita por jovens, que assim ocupavam os tempos livres de verão, e, na nossa opinião, essa deveria ser a solução novamente adotada, já que ficaria bem menos onerosa e o município arrecadaria alguma verba para custear as despesas de manutenção das vias", acrescentou.

Sublinhou que, até aqui, tem sido desde sempre, o Município de Terras de Bouro a cuidar das vias de acesso dentro da área do Parque Nacional da Peneda-Gerês na área do concelho, "mesmo tratando-se de um parque nacional "da exclusiva responsabilidade" do ICNF (Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas).

Joaquim Cracel criticou ainda o ICNF por ainda não se ter disponibilizado para reunir com o município para dar início à concretização de uma resolução do Conselho de Ministros, de dezembro de 2016, que prevê um investimento total de 430 mil euros na gestão e ordenamento da "visitação massiva" na Mata de Albergaria, na promoção de transportes alternativos e fruição do espaço natural.

Em causa estão intervenções nos caminhos da Mata de Albergaria, identificação e sinalização da mesma, beneficiação do caminho florestal entre Leonte e a Portela do Homem e implementação de bolsas de estacionamento na periferia.

"Só para este ano, está previsto um investimento de 200 mil euros, mas como é necessária a autorização do ICNF ainda não se fez rigorosamente nada", criticou.

A Lusa contactou o ICNF, mas ainda não obteve qualquer reação a estas críticas.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon