Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Thomas Tuchel quer “o melhor Borussia” para o duelo com um Benfica “completo”

Logótipo de LusaLusa 13/02/2017 João Godinho
TIAGO PETINGA/LUSA © EPA / TIAGO PETINGA TIAGO PETINGA/LUSA

Lisboa, 13 fev (Lusa) - O treinador do Borussia Dortmund considerou hoje o Benfica "um adversário completo" e que irá exigir a melhor versão da sua equipa no embate da primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões de futebol.

Na conferência de imprensa de antevisão da partida, realizada esta tarde no Estádio da Luz, Thomas Tuchel recusou ainda entrar em grandes comparações entre os 'encarnados' e o Sporting e o FC Porto, que defrontou em 2016, para não ser "injusto" com os anteriores rivais, mas deixou elogios aos tricampeões nacionais.

"É uma grande tarefa para nós jogar amanhã [terça-feira] com o Benfica, uma equipa tão grande e de tanto orgulho. É um desafio e uma sensação muito forte jogar neste estádio. O Benfica é uma equipa ofensiva, muito rápida e que pode também defender de uma forma muito compacta. Aguardamos com expectativa podermos medir-nos com o Benfica", declarou.

Para Thomas Tuchel, a discussão sobre um alegado favoritismo na eliminatória foi relegada para segundo plano e preferiu apelar a um jogo de "paixão" dos seus jogadores na Luz: "Espero que o Borussia tenha uma prestação completa. Temos de jogar com paixão, de forma compacta, com rapidez e precisão no passe. Espero que o Benfica defronte o melhor Borussia."

Em relação às virtudes da equipa de Rui Vitória, o treinador do Borussia Dortmund enalteceu a influência do duo Jonas e Mitroglou. "Jonas e Mitroglou estão sempre presentes a criar desequilíbrios, são um duo muito forte: Mitroglou com um jogo aéreo muito forte e Jonas com a sua elegância e compreensão de jogo. É um duo de peso", reconheceu.

O técnico germânico foi igualmente confrontado com a passagem do rival Bayern pela Luz na anterior edição da 'Champions' e admitiu as dificuldades que os 'bávaros' então sentiram. Porém, garantiu não ter pedido conselhos ao amigo Pep Guardiola, ex-treinador do campeão alemão e atualmente ao comando do Manchester City.

"Ele tem tantos jogos, que não tem tempo para me aconselhar. Mas estes jogos aqui em Lisboa são uma prova de fogo. Foi uma prova difícil para o Bayern aqui em Lisboa, sabemos que temos uma tarefa difícil pela frente, mas teremos de encontrar o nosso próprio caminho. Não poderemos copiar as soluções do Bayern", rematou.

Quem também marcou presença diante dos jornalistas foi o defesa Schmelzer, que, sem se alongar em comentários sobre o valor deste Benfica, acabou por avaliar os 'encarnados' como "o adversário mais difícil" das três equipas portuguesas que se cruzaram com os germânicos nas provas europeias.

"Penso que o Benfica será o adversário mais difícil. Estamos nos oitavos de final da 'Champions' e, portanto, podemos partir do princípio que este será o mais difícil dos jogos contra as equipas portuguesas. Iremos delinear uma ideia de jogo e tentar levar um bom resultado para casa", afirmou o capitão de equipa.

Sublinhando que "o favorito não interessa" numa eliminatória dos oitavos de final da Liga dos Campeões, o internacional alemão deixou, todavia, uma mensagem de confiança para o duplo embate com o Benfica: "Obviamente queremos passar. São eliminatórias, e, no fim dos dois jogos, esperamos passar aos quartos de final".

O desafio entre o Benfica e o Borussia Dortmund, referente à primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões, está marcado para as 19:45 de terça-feira, no Estádio da Luz, e terá a arbitragem do italiano Nicola Rizzoli.

JYGO/AYCO // VR

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon