Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Timor-Leste/Eleições: A esquina da democracia, onde se joga 'snooker'

Logótipo de O Jogo O Jogo 17/07/2017 Administrator

A uns passos da catedral de Díli, na esquina com a rua Caju Laran, no central Bairro Pité, fica um dos espaços mais democráticos da cidade: um centro de jogos onde voam bandeiras de oito partidos.

De um lado uma sala com portas de vidro escurecido, do outro um telheiro de zinco encostado a uma parede com 'graffiti' e onde descansa uma mesa de 'snooker', num espaço rodeado por um murete com vedação de ferro, onde estão as bandeiras.

"Em Timor-Leste temos uma democracia. O nosso país é uma democracia", explicou à Lusa Asae de Jesus, um jovem que saiu debaixo da sombra para justificar o porquê do murete do pequeno espaço ter tanta variedade política.

Rui Nascimento, outro jovem - que diz logo: "claro que falo português" - disse que é um centro de jogos para a juventude da vizinhança onde todos cabem e todos têm lugar.

"Todos têm partidos, mas não há só um partido. Uns jovens apoiam uns e outros apoiam outros e os nossos vizinhos aqui também", afirmou.

A esquina da rua da Catedral com a Caju Laran parece ser um centro nevrálgico de debate político em Díli. Nas presidenciais de 20 de março, três dos candidatos tinham as sedes nesta esquina, praticamente ao lado uma das outras.

Mas não é só aqui que, nos últimos dias de campanha, se multiplicam as bandeiras partidárias. Na Avenida Nicolau Lobato, que atravessa a cidade a partir da rotunda do aeroporto, várias bandeiras foram colocadas nos postes centrais de iluminação.

Primeiro o CNRT [Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste], depois a Fretilin [Frente Revolucionária de Timor-Leste Independente], que colocou as suas ligeiramente mais abaixo, depois outros partidos como a UDT [União Democrática Timorense] ou o PUDD [Partido de Unidade Desenvolvimento Democrático] que se juntou hoje à guerra das bandeiras, algumas de grandes dimensões.

A campanha parece, finalmente, ter chegado à capital. Mais cartazes, mais bandeiras, mais caravanas de partidos - ou pelo menos mais motos com a bandeira de quem o condutor apoia. E azáfama também se nota no Secretariado Técnico de Assistência Eleitoral (STAE).

Hoje, funcionários ultimavam a distribuição de material para os municípios, desde tinteiros a documentos, de papel e listas de fiscais de partidos aos carimbos com o símbolo do STAE e a palavra "Branco".

"Quando algum boletim não tem qualquer marca carimba-se para se perceber na contagem", disse à Lusa Cárceres Ximenes, do Departamento de Educação e Formação Eleitoral.

Num dos corredores do edifício, alguns funcionários continuam a preencher acreditações e cartões de identificação para os fiscais partidários.

Ainda não há número total, mas basta saber que cada partido (e são 21 candidatos) pode ter até cinco por cada um dos 837 centros de votação instalados em Timor-Leste.

A estes fiscais somam-se, já acreditados, 187 observadores internacionais (da União Europeia, do International Republican Institute, do National Democratic Institute, e de várias embaixadas acreditadas em Timor-Leste) e 3.285 timorenses, de várias organizações da sociedade civil.

Estão ainda registados 250 jornalistas timorenses e 10 internacionais, incluindo de quatro agências noticiosas: Lusa, Reuters, France Presse (AFP) e Associated Press (AP).

A campanha para as eleições de sábado termina na quarta-feira.

Estão recenseados para votar 764.858 eleitores, entre os quais 1.101 recenseados na Austrália, 589 em Portugal, 208 no Reino Unido e 227 na Coreia do Sul.

As autoridades eleitorais timorenses vão instalar 1.121 estações de voto em 859 centros de votação para as legislativas, dos quais pelo menos sete funcionarão no estrangeiro, na Austrália (Darwin, Sydney e Melbourne), Coreia do Sul, Portugal e Reino Unido.

Cerca de metade dos eleitores tem de se deslocar para outro ponto do país no dia da votação, segundo estimativas das autoridades eleitorais.

As urnas estarão abertas entre as 07:00 e as 15:00 locais de sábado (23:00 de sábado e 07:00 de domingo, hora de Lisboa).

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon