Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Timor-Leste/Eleições: Taur Matan Ruak anuncia que não será deputado, PLP na oposição

Logótipo de O Jogo O Jogo 26/07/2017 Administrator

Taur Matan Ruak, presidente do Partido Libertação Popular (PLP), terceira força mais votada nas legislativas timorenses de sábado, anunciou hoje que não será deputado no Parlamento Nacional onde o seu partido quer ser oposição.

"Vou deixar para os jovens. Vou estar mais a preparar o meu parido, a trabalhar no meu partido. Os jovens (podem ter voz) muito mais que eu. Vou trabalhar para o meu partido, o PLP e vou continuar a ser uma voz para aqueles sem voz no país", disse hoje depois de um encontro com o chefe de Estado timorense, Francisco Guterres Lu-Olo.

Matan Ruak, que se reuniu com o seu sucessor no cargo de Presidente da República durante cerca de 40 minutos, confirmou que o PLP "como partido pequeno, está mais vocacionado para a oposição".

Questionado pela Lusa sobre se aceitaria um convite para integrar um Governo de inclusão, Matan Ruak disse que, "preferencialmente" prefere "manter-se na oposição", com os oito deputados do PLP estarão no Parlamento Nacional comprometidos a fazer uma oposição "mais educada, mais racional, mais construtiva".

Ruak mostrou-se satisfeito pelos resultados conseguidos pelo PLP nas legislativas de sábado, especialmente porque "havia quem dissesse que não se ultrapassaria a barreira dos 4%" dos votos válidos, necessária para chegar ao parlamento.

"O facto de termos conseguido oito cadeiras já é bom. Naturalmente são os primeiros passos para preparar-nos para a batalha de 2022", explicou.

Matan Ruak explicou que o PLP foi convidado pelo chefe de Estado para dar os parabéns pela campanha e pela forma como correram as eleições, mostrando satisfação pelo facto dos cidadãos estarem cada vez mais conscientes de que "a regra básica da democracia é a tolerância".

Apesar disso Matan Ruak disse estar preocupado por "ter havido muito dinheiro a circular por aí" durante a campanha, preocupação que partilhou com Lu-Olo.

"Temos que dar muita atenção a isto e o próximo Governo que sair das eleições tem que avançar rapidamente com a lei anticorrupção para evitar que o dinheiro funcione em vez da democracia", disse.

Instado pela Lusa a dar exemplos, Matan Ruak foi lacónico: "eu tenho dois sobrinhos que receberam cada um 25 dólares" - mas escusou-se a apontar o dedo a um partido em concreto.

"Eu não digo nenhum partido. Mas isto é um mau sinal. Estou muito preocupado. Esta preocupação foi transmitida ao senhor presidente e espero que o parlamento - eu não vou estar, mas o parlamento, os nossos deputados vão participar nisso para rapidamente avançar com a lei anticorrupção", explicou.

O chefe de Estado Francisco Guterres Lu-Olo convocou hoje para contactos preliminares os líderes dos partidos mais votados nas legislativas de sábado.

Os contactos não são reuniões para a formação de Governo que só podem ocorrer depois dos resultados finais das eleições serem certificados pelo Tribunal de Recurso, algo que deve ocorrer na próxima semana.

Hoje de manhã Lu-Olo recebeu os secretários-gerais da Fretilin, Mari Alkatiri, e do CNRT, Francisco Kalbuadi e na quinta-feira deverá receber os líderes do Partido Democrático (PD) e do Partido de Libertação Popular (PLP).

Trata-se de uma ronda de contactos preliminares que antecedem reuniões formais para a formação que será o VII Governo constitucional, algo que só pode ocorrer na próxima semana depois dos resultados eleitorais serem certificados pelo Tribunal de Recurso.

Na eleições de sábado a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin) obteve 23 lugares, o Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT) 22, o PLP conseguiu 8, o Partido Democrático (PD) sete e o Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO) obteve cinco.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon