Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Tondela e o encontro com as chamas: "Fomos obrigados a fazer inversão de marcha em contramão"

Logótipo de O Jogo O Jogo 16/10/2017 Hugo M. Monteiro

De acordo com o diretor de comunicação do Tondela, Vítor Ramos, "ardeu tudo à volta" do complexo desportivo do Tondela, embora não se tenham registado, até ao momento, danos materiais.

As imediações do complexo desportivo do Tondela foram consumidas durante a última madrugada, tendo escapado ilesos os relvados e as instalações, informou fonte do clube.

"Estávamos com receio do campo de treinos, que era o que estava mais exposto, mas felizmente escapou. Temos os relvados e as instalações ilesas", explicou.

No regresso de Matosinhos a Tondela, depois de terem sido eliminados pelo Leixões da Taça de Portugal, os jogadores e os responsáveis auriverdes passaram por alguns sustos, ao serem surpreendidos pelas chamas na A1.

"Estivemos retidos cerca de meia hora, entre Albergaria e a Mealhada. Acabámos por sair em direção à A25, em Albergaria, onde achávamos que estaríamos mais tranquilos, mas, ao chegar a Talhadas, começámos a vislumbrar clarões muito extensos no horizonte", descreveu.

De acordo com Vítor Ramos, a comitiva - constituída pelo autocarro, alguns carros particulares e a carrinha de apoio - acabou separada, ficando para trás a carrinha de apoio.

© Twitter Tondela

"Ficámos na reta do Reigoso, a 500 metros do incêndio e fomos obrigados a fazer inversão de marcha, em contramão, para seguir para Oliveira de Frades e conseguir contornar as chamas. Apesar destas peripécias, todos os jogadores e o staff encontram-se bem", concluiu.

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram pelo menos 31 mortos e dezenas de feridos, além de terem obrigado a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o Governo assinou um despacho de calamidade pública, abrangendo todos os distritos a norte do Tejo, para assegurar a mobilização de mais meios, principalmente a disponibilidade dos bombeiros no combate aos incêndios.

Portugal acionou o Mecanismo Europeu de Proteção Civil e o protocolo com Marrocos, relativos à utilização de meios aéreos.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, no verão, um fogo que alastrou a outros municípios e que provocou 64 mortos e mais de 250 feridos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon