Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Trabalhadores da Rodoviária de Lisboa em greve por "aumento dos salários"

Logótipo de O Jogo O Jogo 24/10/2017 Administrator

Os trabalhadores da Rodoviária de Lisboa (RL) vão realizar uma greve de 24 horas no dia 15 de dezembro para exigir o "aumento dos salários", anunciou hoje a Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (FECTRANS).

Num comunicado, a FECTRANS afirmou que os motoristas da RL têm salários de 635, 645 e 750 euros e defendeu ser "necessário e urgente" que essas remunerações se afastem do salário mínimo nacional e que estejam "de acordo com as responsabilidades atribuídas" àqueles profissionais.

"É também nosso entendimento que a empresa deve pagar as suas dívidas aos trabalhadores, nomeadamente os descansos compensatórios, mas apresentando propostas de liquidação dignas e não as verbas que tem apresentado, que representam cerca de 30% da dívida, numa clara falta de respeito pelos trabalhadores", lê-se no documento.

Afirmando que a RL "tem recusado sistematicamente o diálogo", a FECTRANS frisou ainda que a empresa "não apresentou uma única proposta (fosse qual fosse) que mostrasse o mínimo interesse em analisar a situação social dos seus trabalhadores".

Outro dos motivos da greve é o facto de a RL ter feito uma atualização de salários com um ato de gestão de 1%, em junho, sem ter realizado uma única reunião com a FECTRANS e sem ter dado conhecimento aos trabalhadores, o que, para a central sindical, revela "sobranceria e falta de respeito por quem trabalha".

Aquela federação defende também a "uniformização das relações de trabalho de todos os trabalhadores", que são tratados de "forma discriminatória", "quer na distribuição dos serviços, quer na distribuição do trabalho suplementar, quer inclusivamente na falta de descanso".

Resumindo, a FECTRANS pretende uma melhoraria para as "condições de vida e de trabalho".

Se a empresa não responder aos anseios dos trabalhadores, "não resta outro caminho que não seja a luta, em unidade e determinação", conclui.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon