Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Trump culpa democratas e "alguns republicanos" pelo falhanço no plano de saúde

Logótipo de O Jogo O Jogo 18/07/2017 Administrator

O Presidente norte-americano, Donald Trump, culpabilizou hoje os democratas e "uns poucos republicanos" pelo incapacidade do Partido Republicano em avançar com uma nova lei de saúde pública para substituir o plano do seu antecessor, conhecido como ObamaCare.

"Nós voltaremos", declarou Trump numa mensagem colocada na sua conta na rede social de mensagens curtas Twitter, publicada hoje bem cedo.

Para o Presidente, "na sua maioria os republicanos foram leais, fantásticos e trabalharam mesmo muito". Mas ressalvou: "Quem nos falhou foram todos os democratas e uns poucos republicanos".

Ainda assim, Trump manifestou a sua confiança de que o tema não está encerrado.

"Tal como sempre disse, deixem o ObamaCare falhar e depois unam-se e façam um grande plano de saúde. Fiquem atentos!", acrescentou o Presidente.

Na noite de segunda-feira, já madrugada em Lisboa, dois senadores republicanos, Mike Lee (do Estado de Utah) e Jerry Moran (Kansas), selaram o destino da proposta de lei do Partido Republicano sobre Saúde Pública ao anunciarem que iriam votar "Não".

Pelo menos quatro dos 52 senadores do Partido Republicano já tinham anunciado a sua intenção de votar contra caso o projeto fosse apresentado a votação. Para ser aprovado, o líder da maioria, Mitch McConnell (Republicano), precisa de contar com pelo menos 50 votos "sim".

Apesar das tentativas de Trump e da maioria republicana nas duas câmaras do Congresso, o Presidente norte-americano não conseguiu ainda aprovar a revogação e substituir o plano elaborado por Barack Obama, e que era uma das suas principais promessas eleitorais.

Estudos efetuados pelo Organismo do Orçamento do Congresso apartidário (CBO, em inglês) indicaram que entre 22 e 24 milhões de pessoas perderiam a cobertura de saúde nos próximos dez anos, com as propostas conservadoras.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon