Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Uma dezena de empresas portuguesas no regresso da maior feira de construção angolana

Logótipo de O Jogo O Jogo 25/10/2017 Administrator

Uma dezena de empresas portuguesas participam a partir de quinta-feira, em Luanda, da Projekta Angola, a maior feira de construção, obras públicas, urbanismo e arquitetura do país, que regressa após o interregno de 2016.

Aquela feira setorial anual foi uma das muitas que não se realizaram no último ano, devido à crise económica, financeira e cambial que afeta Angola, mudando em 2017 de cenário e passando a realizar-se na baía de Luanda, numa área total de 5.000 metros quadrados.

A 14.ª edição da Projekta conta com cerca de uma centena de expositores, de acordo com informação prestada hoje à Lusa pela organização, que tal como a Feira Internacional de Luanda (FILDA), passou a ser garantida pela empresa privada Eventos Arena.

Decorre entre 26 e 29 de outubro, sendo especialmente voltada para os setores de materiais de construção e obras públicas e gabinetes de arquitetura e projeto, entre outros.

A comitiva portuguesa volta a ser, à semelhança de outras feiras em Angola, a maior comitiva estrangeira presente no certame, com empresas de várias dimensões, casos da Noantek, Sival, Ferpinta ou Mota-Engil, entre outras.

De acordo com os promotores, a feira pretende "impulsionar o mercado da construção" em Angola, numa altura em que o país ainda regista fortes restrições económicas devido à crise provocada com a quebra nas receitas petrolíferas, "fomentando oportunidades de contacto, negócio e investimento internacional" nesta área.

Em 2015, no âmbito desta feira, as empresas portuguesas dos setores da madeira e mobiliário previam aumentar até 5% as vendas para Angola, que no anterior já tinham sido de 225 milhões de euros, apesar das dificuldades nos pagamentos.

A posição foi transmitida em outubro de 2015, à Lusa, em Luanda, pelo presidente da Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário de Portugal (AIMMP), Vítor Poças, à margem da abertura da Projekta Angola.

O responsável destacou o peso de 10% de Angola no total das exportações do setor, que globalmente ultrapassaram os dois mil milhões de euros em 2014, e que estavam a crescer para o mercado angolano.

Só em 2015, ano em que se realizou a última edição desta feira em Luanda, Portugal contou com 27 expositores, distribuídos por uma área de 500 metros quadrados.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon