Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Uma mão cheia de golos

Sportinveste 11/06/2014 Fonte: Sportinveste Multimédia
Uma mão cheia de golos © Sportinveste Multimédia Uma mão cheia de golos

Naquele que foi o derradeiro teste da selecção lusa antes do arranque do Mundial 2014, Portugal goleou a República da Irlanda, por 5-1.

No Estádio MetLife, e com cerca de 30 mil portugueses nas bancadas, o resultado começou a escrever-se cedo. Após passe de Ruben Amorim, que esteve em bom plano nesta partida, grande trabalho de Varela a cruzar para a área, onde apareceu Hugo Almeida a cabecear para o fundo das redes, totalmente livre de marcação. Estava feito o primeiro da noite.

Aos 10', momento de preocupação. Luís neto é abalroado por McClean e ficou largos minutos a ser assistido, muito queixoso. Paulo Bento respirou de alívio quando viu o jogador do Zenit levantar-se, e Portugal continuou a dar uma lição d futebol.

Cristiano Ronaldo sossegou os portugueses ao entrar de início no onze titular de Paulo Bento, e aos 13 minutos quase fazia o 2-0. Remate de pé esquerdo à entrada da área, defesa incompleta de Forde, na recarga, Raul Meireles não fez melhor e permitiu a defesa do guardião irlandês.

No minuto imediato, outra vez Portugal. Canto cobrado por João Moutinho na esquerda, Hugo Almeida novamente de cabeça, mas desta vez o cabeceamento a sair ligeiramente por cima.

CR7 foi o marcador de serviço nos livres, o capitão português a ganhar muito balanço, optou por atirar directamente à baliza, mas o ferro evitou o pior para o adversário.

Contudo, dois minutos depois, Portugal aumentou mesmo a vantagem. Infelicidade para Keogh, após um toque sublime de calcanhar de Cristiano Ronaldo, centro de Fábio Coentrão e o central irlandês a desviar para a própria baliza.

Pouco depois da meia hora de jogo, novo susto, desta vez com Fábio Coentrão. Entrada fora de tempo de Kelly, a deixar o lateral-esquerdo muito queixoso. Coentrão demorou a regressar, mas quando o fez, parecia recuperado.

Ainda antes do intervalo, tempo para o bis de Hugo Almeida. Novo cruzamento, e Varela desta vez apontou ao segundo poste onde estava Ronaldo, que desviou de cabeça. Defesa incompleta de Forde, Almeida antecipou-se ao guarda-redes e desviou para o fundo da baliza.

Para o segundo tempo, os treinadores não fizeram qualquer alteração e voltaram a alinhar com os mesmos titulares.

A República da Irlanda entrou melhor na etapa complementar, logo aos 52', McClean a reduzir. Livre em zona frontal, cobrado à maneira rápida, o avançado tirou Meireles da frente, rematou cruzado e bateu Rui Patrício.

Portugal recuperou quase de imediato as rédeas da partida. Bom trabalho de Cristiano Ronaldo, que optou por servir Varela isolado na frente de ataque, mas o extremo falhou a recepção e o lance perdeu-se.

Martin O'Neill e Paulo Bento fizeram de uma assentada quatro substituições cada. CR7 saiu sob um imenso aplauso dos adeptos nas bancadas, para o seu lugar entrou Nani, que esteve muito bem no tempo que passou em campo.

Aos 70', momento de assombro para Rui Patrício. Jogada conduzida por Keane, que serviu McGready, este foi até à linha de fundo e cruzou para o segundo poste, onde o recém-entrado Pilkington atirou ao lado do alvo.

A resposta não se fez esperar. Meio golo é de Nani, que após passe de Moutinho, fez uma recepção imperial e meteu em Vieirinha. Este, marcou à segunda tentativa, depois de uma defesa defeituosa de Forde.

Tudo saía bem aos jogadores portugueses nesta altura. Outra vez Nani no lance, a fazer uma excelente recepção e a colocar na frente. Fábio Coentrão veio de trás, surpreendeu Keogh e atirou de pé direito, estabelecendo o 5-1 final.

Nos últimos minutos, um lance magnífico que, a ser golo, teria sido de antologia. Foram sete os passes: Nani, Miguel Veloso, novamente Nani, Hélder Postiga, Nani (estava em todo o lado), João Moutinho, Vieirinha e depois...Nani, de calcanhar! Todavia, o árbitro assinalou o fora-de-jogo. Valeu pela nota artística.

Perto do apito final, Quinn ainda atirou com perigo ao lado da baliza portuguesa. A dupla Nani/Coentrão também esteve perto de facturar novamente, mas o lateral atirou por cima da trave.

O jogo acabou com festa nas bancadas e no relvado, Portugal passou com distinção o último teste antes da maior competição mundial de selecções. Próxima paragem: Brasil!

AdChoices
AdChoices

Mais de Sportinveste

image beaconimage beaconimage beacon