Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

União Europeia e Nações Unidas defendem o direito à terra para acabar com a fome

Logótipo de O Jogo O Jogo 10/10/2017 Administrator

A União Europeia e o Fundo da ONU para a Alimentação e a Agricultura (FAO) defenderam hoje o direito à posse de terra das comunidades locais de forma a erradicar a fome e a pobreza nos países em desenvolvimento.

O Comité de Segurança Alimentar Mundial da ONU aprovou, há cinco anos, diretrizes voluntárias para a governança responsável da posse de terra, pesca e florestas e desde então já foram lançados 225 programas de apoio à implementação dessas normas em diferentes países.

As diretrizes representam um passo "particularmente importante" para os povos indígenas, os pastores, os pescadores, os agricultores sem terra e ainda para as mulheres, uma vez que reconhecem os direitos dos pequenos produtores, disse o diretor geral da FAO, José Graziano da Silva.

O responsável da FAO considerou que o setor privado deve envolver-se mais na aplicação das normas por ser, por vezes, acusado de se apropriar de terras que pertenciam tradicionalmente a grupos indígenas.

José Graziano da Silva acrescentou que faltam mais ações a nível local e uma maior participação das mulheres, uma vez que em continentes como África muitas continuam excluídas da propriedade de terra.

"Não se pode falar de acabar com a pobreza e fome se não estiverem assegurados os direitos de todos à terra, água e abrigo", sublinhou o comissário europeu para a Cooperação Internacional e o Desenvolvimento, Neven Mimica.

O comissário europeu destacou a importância de um acesso "equitativo" aos recursos naturais e as comunidades locais podem promover a aplicação das normas "para que não sejam apenas um papel".

A UE tem apoiado a governança responsável da posse de terra em 40 países em desenvolvimento com programas no valor de 240 milhões de euros, dos quais 60 milhões procuram assegurar a aplicação das diretrizes em Estados como Namíbia, Bangladesh ou Angola.

A Comissão Europeia financiará também, em 45 milhões de euros, uma nova iniciativa apresentada hoje na sede da FAO destinada a parar com a caça selvagem insustentável, conservar a biodiversidade e melhorar a segurança alimentar em países de África, das Caraíbas e do Pacífico.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon