Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Utilização do videoárbitro chega à justiça desportiva no Brasil

Logótipo de O Jogo O Jogo 07/07/2017 Alcides Freire

Título de campeão estadual do Sport sobre o Salgueiro está impugnado até julgamento tendo como base eventual irregularidade num lance decisivo que contou com ajuda de imagens das câmaras

© Fornecido por O jogo

Principal discussão no futebol português no final da última temporada - usado pela primeira vez na final da Taça de Portugal, no Jamor, entre Benfica e V. Guimarães -, polémico, de novo, na Taça das Confederações, o videoárbitro virou assunto de justiça do Brasil. O título do Campeonato Pernambuncano do Sport foi impugnado esta semana até julgamento no Tribunal de Justiça Desportiva - ainda sem data prevista - por culpa de um pedido de anulação feito pelo guarda-redes do Salgueiro.

Na quarta-feira, o Sport, que tem no ataque o antigo sportinguista André, venceu a segunda mão por1-0, após empate 1-1 na primeira mão, e sagrou-se campeão estadual sobre o Salgueiro. Mas, um lance aos 25 minutos da segunda parte gerou uma enorme polémica, quando a equipa derrotada teve um golo na marcação de um canto anulado com ajuda do videoárbitro - o assistente assinalou saída de bola pela linha de fundo -, tendo o árbitro Wilton Pereira Sampaio confirmado a irregularidade com base nas imagens das câmaras.

amazon2017/07/gol_anulado_do_salgueiro_na_final_do_pe_2017_20170707154527

Revoltado com a decisão, o guarda-redes suplente, Luciano, pediu anulação da partida alegando que o árbitro-assistente Emerson Augusto de Carvalho estava mal posicionado no momento da cobrança do canto e, principalmente, que as imagens do videoárbitro deveriam ter "comprovado" a legalidade da jogada. A atitude, aliás, foi tomada sem a partipação do próprio clube.

"A suspensão da homologação do resultado é um efeito automático previsto em lei. O Sport e a Federação Pernambucana de Futebol (FPF) terão dois dias úteis a partir do momento em que receberem a intimação para apresentar suas manifestações" declarou o vice-presidente do Tribunal de Justiça Desportiva de Pernambuco, Vitor Freitas Andrade Vieira, que assinou o documento oficial.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon