Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Venezuela: Oposição saiu à rua para assinalar 100 dias de protestos

Logótipo de O Jogo O Jogo 09/07/2017 Administrator

A oposição venezuelana saiu hoje à rua em várias cidades para assinalar 100 dias de protestos contra o regime do Presidente Nicolás Maduro, que responsabilizam pela crise económica e acusam de tentar acabar com a democracia no país.

A iniciativa serviu para homenagear as 92 pessoas mortas desde o passad0 dia 01 de abril, durante manifestações a favor e contra o Governo, e assinalou ainda a transferência do líder da oposição Leopoldo López de um estabelecimento prisional militar para prisão domiciliária.

Com mais de 1.500 feridos e centenas de detidos, a oposição promete intensificar as ações de protesto e desobediência ao regime, que hoje iniciou a campanha para a eleição de uma Assembleia Constituinte, que segundo o Governo facilitará o diálogo nacional, mas que a oposição diz ter como objetivo moldar a Constituição para instaurar um sistema comunista, inspirado no de Cuba.

Em Chacaíto (leste de Caracas) no local onde, no passado, Leolpodo López se entregou às autoridades que o condenaram a 14 anos de prisão, a oposição anunciou uma nova agenda de protestos que prevê a realização de manifestações durante os próximos sete dias, a começar com um bloqueio de estradas na segunda-feira.

Na terça e quarta-feira vão realizar-se assembleias populares nos Comandos de Resistência, na quinta-feira está marcado um protesto nacional e na sexta-feira a oposição prevê realizar uma caravana.

Para domingo, dia 16, a oposição está a convocar os venezuelanos para uma consulta popular, em diversos sítios, para decidir se querem continuar a ser governados por Nicolás Maduro.

Nesse dia os venezuelanos devem decidir ainda se aprovam a proposta de eleição da Assembleia Constituinte, feita pelo chefe de Estado, e quais as funções que devem ser atribuídas às forças armadas venezuelanas.

Na Venezuela, as manifestações a favor e contra o Presidente Nicolás Maduro intensificaram-se desde o passado dia 01 de abril, depois de o Supremo Tribunal de Justiça divulgar duas sentenças que limitavam a imunidade parlamentar e em que aquele organismo assumia as funções do parlamento.

Entre queixas sobre o aumento da repressão, os opositores manifestam-se ainda contra a convocatória a uma Assembleia Constituinte, feita a 01 de maio pelo Presidente Nicolás Maduro.

A pesar dos protestos o Presidente Nicolás Maduro se tem negado a libertar os presos políticos, a abrir um canal humanitário para a entrada de alimentos e medicamentos. Fora da agenda governamental está ainda a insistência opositora da realização de eleições presidenciais antecipadas no país e também as eleições regionais que, segundo a legislação em vigor, deveriam ter ocorrido até dezembro de 2016.

O Governo venezuelano acusa a oposição de promover grupos violentos e "terroristas" para desestabilizar o seu regime, enquanto os opositores reclamam da crescente repressão das forças de segurança, que atacam a população desarmada e envolvida em manifestações pacíficas.

A oposição tem denunciado, através de vídeos, que os "coletivos" (grupos de civis armados, que se deslocam de mota, afetos ao regime) atacam manifestantes da oposição, responsabilizando-os inclusive por algumas das mortes ocorridas.

A Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar) tem sido responsável pelas detenções de opositores, que desde há semanas estão a ser submetidos a julgamentos em tribunais militares, situação questionada pelo Ministério Público e por organizações não governamentais, que acusam as forças de segurança de cometer abusos.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon