Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Venezuela: PM britânica manifesta "apoio indefetível" à oposição venezuelana

Logótipo de O Jogo O Jogo 07/09/2017 Administrator

A primeira-ministra britânica, Theresa May, recebeu hoje em Londres o presidente do parlamento venezuelano, Julio Borges, a única instituição venezuelana controlada pela oposição, a quem manifestou o seu apoio "indefetível".

O dirigente da oposição efetua uma visita a várias capitais europeias desde segunda-feira, tendo já sido recebido pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, pelo chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, e pela chanceler alemã, Angela Merkel.

Em profunda crise económica após a queda dos preços do petróleo, a sua riqueza mais explorada, a Venezuela assistiu a manifestações entre abril e julho que exigiam a demissão do Presidente Nicolás Maduro, com um balanço de 125 mortos nos confrontos de rua.

"Não deixámos de condenar as ações do Governo venezuelano e apoiar de forma indefetível a Assembleia nacional" presidida por Borges, declarou Theresa May, em comunicado divulgado após o encontro.

"A reunião de hoje é um sinal claro que o Reino Unido continuará a trabalhar com os seus parceiros internacionais para fazer pressão sobre as autoridades venezuelanas com o objetivo de fazer baixar a tensão", acrescentou.

"Exorto uma vez mais o Governo venezuelano a respeitar os direitos humanos, a primazia do direito, a separação de poderes e a integridade das instituições democráticas", insistiu.

Theresa May também se encontrou com Antonieta López, a mãe do opositor Leopoldo López, atualmente sob residência vigiada em Caracas, e cuja mulher, Lilian Tintori, não pôde deixar o país.

"A detenção de López e as medidas adotadas pelas autoridades venezuelanas para impedir a sua mulher Lilian Tintori de se deslocar à Europa são um tema de grande inquietação", considerou May.

A repressão às manifestações contra o regime do Presidente Nicolás Maduro já provocou pelo menos 125 mortos desde abril, segundo o Ministério Público venezuelano.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon