Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Vento e falta de pó de tijolo no court atrapalharam Carreño Busta

Logótipo de O Jogo O Jogo 05/05/2017 Cristina Aguiar
© Fornecido por O jogo

O tenista espanhol Pablo Carreño Busta explica que o encontro dos quartos de final do Estoril Open, em que ganhou ao compatriota Nicolas Almagro, foi muito complicado por causa do vento e das condições do court.

"Com o vento, e o court praticamente sem pó de tijolo, foi muito complicado de jogar. Creio que isso se notou. A qualidade do encontro não teve nada a ver com a final do ano passado [ganha por Almagro], devido às condições. Foi muito difícil jogar para os dois. No final, ganhei o encontro e estou contente, mas não posso tirar muitas conclusões", salientou o primeiro cabeça de série, que venceu por 6-2 e 6-4.

Carreño Busta explicou que, com condições adversas como as de hoje, tentou jogar com menos risco, mais no centro do 'court', para que o vento não atirasse a bola fora.

"Tentei estar todo o jogo concentrado, porque sabia que a qualquer altura podia acontecer um imprevisto", completou, reconhecendo que houve um momento no segundo parcial em que Nicolas Almagro começou a jogar "muito bem" e a ser "muito certeiro".

"Mas eu consegui voltar a ter o ascendente, a dominar o encontro. Foi um bom encontro", salientou.

O 21.º tenista mundial confessou que jogar contra David Ferrer, nas meias-finais do Estoril Open, será especial, não só porque o quarto cabeça de série é espanhol, mas também porque é uma referência.

"O David foi um grande jogador, um daqueles que sempre admiras quando cresces. Não será fácil de jogar, mas causa-me uma grande expectativa", assumiu.

Carreño Busta mostrou-se confiante de que pode ter sucesso nas meias-finais, fase a que chegou em 2015, na primeira edição do Millennium Estoril Open, e que melhorou no ano passado, ao chegar à final.

"O primeiro ano em que vim aqui tinha um ranking muito mau, era muito jovem e estava a crescer. Sempre que vim aqui senti-me cómodo, quase como em casa. Suponho que as condições do 'court' me favorecem, porque tenho sempre grandes resultados aqui. Este ano vamos tentar levantar esse troféu que me está a resistir", prometeu.

O espanhol admitiu que melhorou muito a agressividade do seu jogo, tentando dominar mais os pontos, uma vez que só assim pode derrotar jogadores do top mundial.

"Gostaria de entrar no top 10 este ano e manter-me a vida toda aí. Mas sei que é complicado, o objetivo deste ano não é esse. Ainda há muitas coisas a melhorar, tenho muito que trabalhar", salientou.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon