Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Ventura Terra foi um arquiteto de "pragmatismo e sentido do belo" - realizador

Logótipo de O Jogo O Jogo 16/10/2017 Administrator

A personalidade de Miguel Ventura Terra (1866-1919) juntou o "pragmatismo e o sentido do belo", descreve o realizador Fernando Carrilho, autor do documentário dedicado à obra daquele arquiteto, cuja antestreia decorrerá na terça-feira, em Lisboa.

O documentário "Ventura Terra - Projetar a Modernidade", de Fernando Carrilho, sobre o arquiteto que marcou a Lisboa do início do século XX, vai ter antestreia às 21:30, na Cinemateca Portuguesa, com a presença do realizador.

Contactado pela agência Lusa, Carrilho explicou que o filme surge de um desafio da Associação Ventura Terra à Direção Municipal de Cultura da Câmara de Lisboa, por ocasião das Comemorações dos 150 anos do nascimento do arquiteto.

Essas comemorações incluíram também a organização de uma exposição - "Do Util e do Bello" - patente até sábado, no piso térreo no Torreão Poente do Terreiro do Paço.

Produzido pelo Arquivo Municipal de Lisboa -- Videoteca e Terra Esplêndida, o documentário "faz uma panorâmica sobre a obra que o arquiteto deixou no pais".

"Estabelece também alguns pontos de contacto com a sua personalidade. Os seus traços foram energia e capacidade de trabalho, racionalidade, pragmatismo e sentido do belo!", descreveu Fernando Carrilho, em declarações à Lusa.

Questionado sobre a marca que Ventura Terra deixou em Lisboa, o realizador afirmou: "Uma marca de modernidade na cidade. Sem dúvida, um dos mais importantes arquitetos portugueses do início do século XX, surpreendentemente desconhecido do grande público".

O arquiteto, nascido em Seixas, Caminha, a 14 de julho de 1866, morreu em Lisboa, aos 53 anos, e fez diversas intervenções enquanto foi vereador da Câmara de Lisboa, entre 1908 e 1913, e, por um curto período, em 1917.

O Palácio das Cortes (atual Assembleia da República), a Sinagoga Shararé Tikvá, Palacete Mendonça, Liceu Camões e Teatro Politeama são alguns dos edifícios emblemáticos deixados por Ventura Terra à capital.

A Casa Ventura Terra (1903), o Palácio Valmor (1906), o Palacete Mendonça (1909), a Casa de António Thomaz Quartin (1911) e a Casa de Artur Prat (menção honrosa 1913) perfazem a lista de prémios Valmor obtidos por Ventura Terra.

Republicano convicto, a sua vida pautou-se pelo empenho cívico, como membro da Sociedade Portuguesa dos Arquitetos Portugueses -- foi, em 1903, o primeiro presidente do Conselho Diretor desta entidade -, e, enquanto elemento da Comissão dos Monumentos Nacionais, organismo a que permaneceu até morrer, em 1919, bateu-se pela conclusão da Igreja de Santa Engrácia, e a sua transformação num panteão.

Depois da antestreia, na Cinemateca, segundo o realizador, o documentário circulará por salas de cinema não comerciais em cidades onde Ventura Terra deixou obra. Mas ainda não há datas agendadas.

Está também prevista uma estreia na RTP2 em 2018.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon