Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Vila Real com centro de reabilitação cardíaca a partir de novembro

Logótipo de O Jogo O Jogo 29/09/2017 Administrator

O Hospital de Vila Real anunciou hoje que vai dispor, a partir de novembro, de um centro de reabilitação cardíaca para ajudar na recuperação de doentes de todo o território de Trás-os-Montes e do Douro Sul.

Instalado na unidade de Vila Real do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD), o centro de reabilitação cardíaca é, segundo a fonte, o primeiro serviço deste género ligado ao Serviço Nacional de Saúde e a funcionar na região transmontana.

Atualmente existe um em Sabrosa, mas que pertence à Cruz Vermelha Portuguesa.

"A reabilitação cardíaca é uma valência da cardiologia que se tem revelado de enorme utilidade na recuperação e na manutenção do bom estado geral do doente cardíaco, mas que em Portugal está muito atrasada", afirmou hoje à agência Lusa o diretor do serviço de cardiologia do CHTMAD, Ilídio Moreira.

Segundo o responsável, são ainda poucos os centros de reabilitação cardíaca em Portugal, uma área que defende ter "muita importância prática".

Ilídio Moreira sustentou que está demonstrado que estes programas "melhoram em muito o prognóstico do doente cardíaco, diminuem as complicações das doenças cardíacas e, em última análise, interferem na mortalidade destes doentes que também diminui".

Hoje, em que se assinala o Dia Mundial do Coração, o responsável explicou que o CHTMAD já iniciou a primeira fase da reabilitação cardíaca, a chamada "fase um, em que é feita a reabilitação inicial enquanto o doente está em internamento".

"Precisávamos de avançar para a fase dois, que é a reabilitação depois do doente ter alta, em que o doente sofre uma avaliação de forma integrada, não só com avaliação de cardiologia mas também com outras especialidades, como consultas de cessação tabágica, apoio psicológico, de nutrição ou fisiatria", referiu.

Num espaço adaptado no hospital foram instalados equipamentos de ginásio, onde os utentes vão fazer exercício e ao mesmo tempo são monitorizados e acompanhados pelas várias especialidades.

"E isso acaba por ser muitas vezes determinante no bom prognóstico e desempenho clínico do doente", afirmou.

Segundo Ilídio Moreira, em alguns países, como nos Estados Unidos da América (EUA), a esmagadora maioria dos doentes que sofre estas doenças cardíacas já usufrui deste serviço, no entanto, em Portugal, a percentagem "está ainda abaixo dos 10%".

"E nós, ultrapassando as dificuldades da interioridade que são imensas, queremos começar aqui a reabilitação cardíaca porque achamos que é muito importante", sublinhou.

Inicialmente, em Vila Real, vão ser tratados todos os doentes que passam pelo internamento e que têm indicação para reabilitação de fase dois. Posteriormente, o programa será aberto a doentes que não passaram pelo internamente mas que são avaliados em regime de consulta externa.

Este projeto contou com o apoio do programa EDP Solidária.

No Dia Mundial do Coração, que hoje se assinala, as associações ligadas à cardiologia recordaram que as doenças cardiovasculares continuam a ser a primeira causa de morte em Portugal, apesar de pelo menos 80% das mortes prematuras por estas patologias poderem ser evitadas.

Das 35 mil mortes por doenças cardiovasculares calcula-se que 20 mil sejam por acidentes cerebrovasculares e mil por enfartes do miocárdio.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon