Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Vocalista dos U2 questiona Presidente argentino sobre desaparecimento de ativista

Logótipo de O Jogo O Jogo 10/10/2017 Administrator

O vocalista da banda de 'rock' U2, Bono Vox, questionou o Presidente da Argentina, Mauricio Macri, sobre o desaparecimento há mais de dois meses de um ativista que participou num protesto indígena reprimido pela polícia.

Bono Vox afirmou que conversou, na segunda-feira, com Mauricio Macri sobre Santiago Maldonado durante um encontro mantido na capital, Buenos Aires, manifestando-se "contente" por saber que o chefe de Estado argentino está a levar o caso "a sério".

O cantor e também ativista irlandês é membro da Amnistia Internacional, organização que tem vindo a pedir respostas para o caso de desaparecimento que se tornou problemático para o governo de Macri, com grupos de defesa dos direitos humanos a acusarem-no de fazer parte de um encobrimento.

Em comunicado, a presidência argentina indicou que Macri transmitiu a Bono "todas as diligências tomadas para localizar o paradeiro do jovem", destacando ainda a "permanente cooperação" que tem sido prestada à justiça "de modo a esclarecer o caso".

Santiago Maldonado, que se transformou num assunto nacional, desapareceu em 01 de agosto.

O jovem, de 28 anos, foi visto pela última vez quando participava num protesto de uma comunidade mapuche em Esquel, na província de Chubut, no sul da Argentina.

Os manifestantes exigiam a libertação de um líder indígena e a retoma das terras que pertencem à empresa de vestuário italiana Benetton, as quais são reclamadas pelos mapuche como território ancestral seu.

Testemunhas relataram que a polícia de fronteiras deteve Maldonado depois de o jovem, com outros manifestantes, ter bloqueado uma estrada. As autoridades negaram, porém, qualquer irregularidade.

O desaparecimento do jovem tocou um ponto nevrálgico na Argentina, onde grupos de defesa dos direitos humanos estimam em cerca de 30 mil o número de mortos ou desaparecimentos forçados durante a ditadura militar no país (1976-1983).

Milhares de argentinos têm protagonizado protestos nas ruas para exigir ao governo que encontre Santiago Maldonado, enquanto partidos políticos da oposição, jogadores de futebol e outras celebridades se têm juntado a uma campanha nas redes sociais sob o 'slogan': "Onde está Santiago Maldonado?"

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon