Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Volta à Catalunha: Rojas faz queixa de Van Garderen nas redes sociais

Logótipo de O Jogo O Jogo 23/03/2017 Mónica Santos

Espanhol denunciou à UCI, através do Twitter um gesto ilegal do norte-americano: tirou o capacete, revelou.

O ciclista espanhol José Joaquín Rojas (Movistar) denunciou, esta quinta-feira, nas redes sociais, o norte-americano Tejay Van Garderen (BMC), líder da Volta à Catalunha, por ter tirado o capacete durante a quarta etapa, um gesto passível de ser punido.

Numa mensagem no Twitter, Rojas identificou a União Ciclista Internacional (UCI) e o ciclista da BMC num vídeo da quarta etapa, hoje disputada, onde se pode ver o norte-americano a segurar o capacete na mão para tirar o boné que tinha por baixo.

"Tirar o capacete durante uma corrida não é permitido. As regras são para todos", escreveu em inglês o ciclista da Movistar, que conclui a ideia noutra mensagem em que se dirige a Van Garderen dizendo "Caso não saibas as regras, aqui as tens", uma frase que está acompanhada por uma fotografia do regulamento da UCI, que prevê, inclusive, a desclassificação por esta ação.

A publicação de Rojas acontece na sequência da sanção imposta à Movistar no contrarrelógio por equipas.

Os juízes de União Ciclista Internacional (UCI) sancionaram na quarta-feira com um minuto todos os ciclistas da equipa espanhola Movistar, depois de na terça-feira terem castigado apenas três, devido a alegados impulsos no contrarrelógio por equipas da Volta à Catalunha.

© TONI ALBIR

Na sequência de um protesto da BMC, a UCI mudou a sanção, o que implicou a vitória da equipa suíça no contrarrelógio e a queda da formação espanhola para o terceiro posto, assim como a retirada da camisola branca a Alejandro Valverde, que respondeu na estrada ganhando hoje a terceira etapa.

A Movistar tinha conquistado o contrarrelógio por equipas, com o tempo de 48.55 minutos e colocado o espanhol José Joaquín Rojas na liderança da prova.

Depois da conclusão da etapa, a UCI analisou, porém, as imagens de vídeo da prova, concluindo que Rojas ajudou com impulsos os seus companheiros de equipa Andrey Amador, em duas ocasiões, e o português Nelson Oliveira, uma vez.

Assim, Rojas foi penalizado com três minutos, Amador com dois e Oliveira com um, o que colocou Valverde na liderança da prova.

Na noite de terça-feira, a BMC protestou da decisão e, hoje, a UCI decidiu penalizar todos os elementos da equipa com um minuto.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon