Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Wall Street fecha em alta com recordes do Dow Jones (3.º consecutivo) e S&P 500

Logótipo de O Jogo O Jogo 14/07/2017 Administrator

A bolsa nova-iorquina encerrou hoje com novos recordes no fecho do Dow Jones, o terceiro consecutivo, e do S&P 500, graças à divulgação de resultados trimestrais de grandes bancos, considerados bons pelos investidores.

A contribuir para este estado de espírito dos investidores esteve também a publicação de indicadores económicos da economia norte-americana, que revelaram alguma falta de força desta, o que os tranquilizou quanto à eventualidade da Reserva Federal acelerar a sua política de normalização monetária (subir taxas de juro).

Os resultados definitivos da sessão indicam que o Dow Jones Industrial Average valorizou 0,39%, para os 21.637,74 pontos, o Nasdaq subiu 0,61% -- para os 6.312,47 -- e o S&P 500 avançou 0,47%, para os 2.459,27.

A praça bolsista entrou em força na época de divulgação de resultados trimestrais, com os números relativos a três grandes bancos. "No seu conjunto, foram bons e excederam as expectativas", considerou Bill Lynch, da Hinsdale Associates.

Os títulos do JPMorgan Chase, Citigroup e Wells Fargo, que tinham valorizado de forma relevante nas últimas semanas, desceram hoje "devido à deceção com as previsões e a atividade da corretagem", acrescentou. Mas os lucros destes empórios financeiros enquanto tais "auguram uma boa época de resultados".

Por outro lado, a sessão bolsista for marcada por uma série de indicadores com sentidos contrários.

A evolução do índice dos preços no consumidor, particularmente acompanhada, estagnou em junho e caiu, em termos anuais, para o seu nível mais baixo em nove meses, bem abaixo do objetivo estipulado pela Reserva Federal (Fed) de um valor máximo de 2%.

"A Fed estima que a fraqueza da inflação é temporária, mas isto já se passa há quatro meses", destacou Christopher Low, da FTN Financial.

"Torna-se assim cada vez mais difícil (para a Fed) justificar o ritmo atual de subida das taxas de juro, o que anima o coração dos investidores", acrescentou.

Com efeito, os investidores em Wall Street têm beneficiado largamente nos últimos anos das taxas de juro baixas da Fed, que por+em já as subiu por duas vezes este ano.

As vendas no comércio retalhista, pela sua parte, recuaram em junho, pelo segundo mês consecutivo, dececionando as expectativas dos analistas.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon