Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"Walter é um deficiente mental, vai ser só mais um gordo no mundo"

Logótipo de O Jogo O Jogo 10/03/2017 Hugo M. Monteiro

Dirigente do Goiás não se conteve nas críticas ao brasileiro, que rescindiu com o clube depois de ter agredido um colega de equipa

Walter rescindiu contrato com o Goiás após ter agredido um colega de equipa durante um treino, tendo dado uma cotovelada a Matheus e deixando o jogador inconsciente.

© Fornecido por O jogo

Face aos recentes problemas disciplinares do brasileiro e os sempre presentes problemas com o peso, Hailé Pinheiro, dirigente do Goiás, revelou a desilusão para com Walter, ao ponto de classificar o jogador de "deficiente mental".

"Na quinta-feira que antecedeu o carnaval, chamei Walter ao meu escritório e conversámos durante mais de três horas. Disse-lhe que se não levasse a sério a sua condição física, nunca mais jogaria futebol. O joelho dele já não aguentava o seu peso", revelou, em entrevista ao "Portal 730".

"Disse-lhe: "Walter, tens que entender que tens mais uns quatro ou cinco anos de futebol pela frente e depois não vais ser mais nada. Vais ser mais um gordo no mundo. Ganha juízo. Tens duas filhas, duas mulheres e estás a torrar o teu dinheiro". Conversei com ele como um pai", apontou.

O incidente durante o treino aconteceu um dia após a conversa com Hailé, motivando o dirigente a criticar duramente o avançado. "Vi que as minhas palavras não valeram nada para Walter. É um deficiente mental, não está no seu perfeito juízo. Estamos muito aliviados por ter ido embora", rematou.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon