Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Walter: "Estou muito triste. Foi a minha primeira briga"

Logótipo de O Jogo O Jogo 28/02/2017 Pedro Rocha

O avançado diz-se arrependido por ter agredido Matheus com uma cotovelada, embora alegue ter sido provocado pelo guarda-redes

Afastado pela direção do Goiás, Walter lamenta ter agredido o guarda-redes Matheus durante um treino. Em declarações prestadas à Rádio 730, o avançado manifestou-se arrependido, mas alega ter sido provocado. "Estávamos fazendo um jogo-treino na sexta-feira. O Matheus levou um gol, e eu fui falar para ele: 'Pega a bola cara, fecha esse gol', ele ficou irritado e começou a me xingar de maneira explícita. Logo em seguida veio o lance da cotovelada, mas me arrependo demais, sei que foi algo grave e serviu para eu aprender", declarou, citado pelo Lance.

© Fornecido por O jogo

O ex-jogador do Fluminense, Cruzeiro, FC Porto, Internacional e Atlético diz ter reconhecido logo o erro e que terá sido sincero nas explicações. "O Harlei (diretor de futebol) me chamou para conversar, e eu falei para ele que estava arrependido, estou muito triste com isso, foi a primeira vez que aconteceu algo assim na minha carreira. Tenho dois anos e meio de história no Goiás e foi a minha primeira briga", assinalou, desmentindo que teria dito que "faria tudo de novo", conforme denunciaria Harlei.

"O diretor Harlei já conversou muito comigo, tenho um carinho enorme por ele e pelo presidente. Mas a entrevista que o Harlei deu falando sobre mim, não foi certa. Eu não disse que iria fazer de novo, estava com a cabeça quente, apenas isso. Tenho a impressão de que ele quis me jogar contra a torcida, sendo que sou completamente grato aos torcedores por tudo que fazem por mim. Um diretor de futebol não pode dar uma entrevista desse jeito", criticou Walter, cujo futuro no Goiás é uma incógnita.

A saída do clube vai ganhando força e o ponta-de-lança conta ter tudo em pratos limpos até quarta-feira. "Estou passando por um momento difícil e o Goiás não me abraçou, mas mesmo assim sou grato (...) O grupo sentiu o que eu fiz, sou companheiro, e eles não esperavam isso de mim. Peço desculpas à torcida por tudo que aconteceu e serei sempre grato. Chego em Goiânia nesta segunda, para terça ou quarta-feira resolver a situação. Vai acontecer o que for melhor para o Goiás, se decidirem quebrar o contrato, vou aceitar sem problemas e seguir outro caminho", perspetivou.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon