Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Xanana Gusmão quer que CNRT analise fracasso nas legislativas timorenses

Logótipo de O Jogo O Jogo 04/08/2017 Administrator

Xanana Gusmão disse hoje que o CNRT tem que analisar as causas do fracasso eleitoral nas legislativas em Timor-Leste, sobretudo nos municípios onde sofreu "pesadas derrotas", para poder consolidar-se e reforçar a sua capacidade política.

Num discurso em que anunciou a sua demissão como presidente do partido e em que defendeu que o Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT) deve ser oposição e não integrar qualquer coligação de Governo, Xanana Gusmão pediu um debate como "espírito de honestidade" e clareza".

"Haverá tempo e espaço para que todos possam fazer um relatório sobre a situação, dificuldades ou problemas que cada um enfrentou", declarou na abertura de uma conferência que vai agora decorrer, à porta fechada, até domingo.

"Pediria que os debates alimentem o espírito de honestidade e que os problemas sejam postos com clareza, para que, depois de conhecermos todos as verdadeiras causas do fracasso, cada um possa refletir, com consciência e sinceridade, sobre os seus atos e possa assumir eventualmente as suas responsabilidades", disse.

Recorde-se que o CNRT passou de partido mais votado - com 30 lugares no parlamento - para segundo mais votado, atrás da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin) - perdendo oito lugares e mais de cinco mil votos.

Afirmando que não pretende "atiçar críticas, que venham a pôr em causa ou desvalorizem o trabalho de todos os quadros", Xanana Gusmão defendeu que é preciso "uma análise profunda" sobre o que levou o CNRT a perder votos face a 2012.

Entre as causas para a redução de votantes, Xanana Gusmão disse que os militantes podem não ter ido votar, que alguns mudaram de partido e que outros desconheciam ou "não acreditam no programa" do partido.

"A maioria do nosso povo não tem confiança no programa do partido. Este facto é, legitimamente, um direito dessa maioria e o partido tem que respeitar essa vontade, expressa no resultado das eleições", disse.

Xanana Gusmão reconheceu ainda que o resultado mostra que o eleitorado timorense "já não se deixa influenciar por 'figuras'", não respondendo com votos quando "o CNRT tentou promover abusiva e enfadonhamente com 'Vivas ao Maun Boot'", numa referência a si próprio.

"A maioria do nosso Povo já sabe que o CNRT não tem capacidade para estar no governo. O resultado das eleições foi um excelente teste à governação do CNRT, durante estes 10 longos anos", sublinhou ainda.

O até agora líder do CNRT explicou que desde a votação procurou fazer uma "profunda reflexão sobre o resultado" das eleições e que chegou agora a hora de ouvir "os pensamentos, os suspiros, os sentimentos" dos restantes quadros do partido.

Xanana Gusmão, que preside ao CNRT desde a fundação do partido em 2007, disse que o encontro que decorre este fim de semana deve servir para tomar "decisões importantes sobre o plano do partido para os próximos 5 anos".

Xanana Gusmão felicitou o povo timorense "pela maturidade política, demonstrada ao longo de um mês de campanhas políticas até ao dia das eleições e até agora", símbolo de que "a paz e a estabilidade ganharam raízes profundas" em Timor-Leste.

Felicitou ainda os partidos políticos que atuaram com respeito pela democracia, afirmando "os valores estabelecidos na Constituição, sobre tolerância, mútuo respeito e, sobretudo, o respeito pela vontade soberana do povo".

Deixou agradecimentos aos observadores e aos jornalistas nacionais e estrangeiros bem como às forças de Defesa e Segurança e saudou o trabalho dos militantes e dirigentes do partido no processo eleitoral.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon