Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Circo cigano sente-se alvo de racismo

O Cirque Romanès anda às voltas sem saber onde assentar. Há mais de 20 anos na estrada, aquele que se considera o único circo cigano sente hoje, mais que nunca, dificuldade em seguir viagem. Já representou França pelo mundo. Mas, nos últimos anos, várias cidades têm posto entraves à apresentação do espectáculo, evocando falhas burocráticas para justificar a decisão. Mas para Alexandre Romanès, fundador do circo a que deu o nome, é na verdade uma questão de racismo que os está a impedir. "Neste momento, a nossa dificuldade é encontrar para o Cirque Romanès, um circo cigano, locais nas cidades para o nosso espectáculo. Não estamos a conseguir e creio, aliás tenho provas disso, de que é a palavra cigano que nos está a travar", conta. O preconceito já lhes bateu à porta, quando o acampamento, montado numa das zonas mais nobres de Paris, foi vandalizado, em 2015. No entanto, os artistas permanecem na capital francesa à espera das autorizações necessárias para levar a digressão ao resto do país.
image beaconimage beaconimage beacon