Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Notícias de celebridades, televisão, música e cinema

Manuel Luís Goucha escreve carta emocionante ao pai: 'Não foste pai porque não quiseste'

Logótipo de TV MaisTV Mais 17/07/2017 tvmais

Facebook Manuel Luís Goucha TV Mais TV Mais 1

Manuel Luís Goucha partilhou um testemunho emocionante sobre a realção com o pai. O apresentador da TVI revela que nem sempre teve a melhor relação com o progenitor e recorda a reação que este teve à sua sexualidade e em como isso condicionou a relação de ambos.

Manuel Luís Goucha escreve carta emocionante ao pai: ' Não foste pai porque não quiseste' © Facebook Manuel Luís Goucha Manuel Luís Goucha escreve carta emocionante ao pai: ' Não foste pai porque não quiseste'

Leia aqui o texto completo que Manuel Luís Goucha publicou no seu blogue pessoal, "Cabaret do Goucha":

Em que estarias a pensar quando me pegaste ao colo? Sei que torceste um pé, tais os pulos de contentamento por eu ter nascido, naquele dia de Natal. Olha que bela prenda a Vida te deu! Que planos terias para mim? Os pais projectam-se nos filhos, bem o sabes, naquele tempo queriam-nos formados em “económico-financeiras” ou, se o dinheiro não desse para os botar na faculdade, que fossem parar a um banco, que assim estaria garantida uma vida com algum desafogo. Deve ter sido um choque para ti quando anos mais tarde, tinha nove não o esqueci, apareceste lá em casa para nos ver e te disseram que do que eu gostava era de teatro, de ópera, de música e bailado clássicos… A mãe esqueceu-se de te dizer que também já era apaixonado por livros, tal como ela; neles esquecia as horas e entrava em mundos diferentes e desafiadores. Andava a ler o “Malhadinhas” e às voltas com o dicionário e as palavras de Aquilino. Lembras-te de como reagiste? Recordo-o, como se o tivesses acabado de dizer: “então temos um maricas na família!”. Apesar dos tempos serem de calar a diferença, já havia percebido que eram alguns homens que faziam pulsar o meu, ainda pouco decifrável, desejo.

Tinhas razão! Bendita mariquice essa de procurar o Belo, nas palavras dos escritores, nas tintas dos pintores, na música dos compositores, em todos aqueles que nunca acabam, independentemente do género. Nessa procura sempre fui feliz, por me desafiar, inquietar e acrescentar. Pela Arte sou melhor e quero sempre mais, numa avidez que não se esgota, antes se renova ou complementa. O maricas fez-se homem, balizando-se em valores que considera justos e universais, pouco ligando ao juízo dos de fora, quando o único que me interessava, o da mãe, escutei-o aos dezoito, já eu era por minha conta e risco: “só quero que sejas feliz!”.

No trabalho me cumpro, diariamente, sabendo que se a Vida me der limões, limonada farei e se puder ainda lhe acrescento açúcar. Quero ser dos que com conhecimento, inteligência, coração e paciência procuram melhorar a grosseria dominante, para não me arrepender do que fiz do meu tempo, quando este se tiver finado.

Quando pego na nossa foto, a única que tenho de ti, vejo-me de sobrolho carregado como que a questionar-te: quem és? como és? Passaram sessenta e dois anos e não tenho respostas. Há vínculos que não se podem adiar. Não foste pai, o meu pai, porque não quiseste, não soubeste ou não te deixaram ser! E eu, não fui filho, o teu filho. Estamos quites! Pena que tal facto não me sossegue, já que tudo ficou por dizer!

AdChoices
AdChoices

Mais de TV Mais

AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon