Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Star Wars Battlefront II

Logótipo de Gamereactor Gamereactor 14/11/2017 Mike Holmes

Star Wars Battlefront II

Star Wars Battlefront II © Gamereactor Star Wars Battlefront II

Ainda antes de toda a polémica em torno das micro-transações e dos caixotes de loot, já os jogadores se queixavam da escassez de conteúdo do primeiro jogo e da ausência de uma estória. Essas duas queixas foram abordadas pela DICE para a sequela, e como resultado, Star Wars Battlefront II é um pacote mais completo. Inclui uma estória a solo, um modo cooperativo, e o inevitável espaço multijogador. Mais interessante ainda, todo o conteúdo futuro, em termos de mapas, será gratuito para os jogadores, o que levou a EA a mudar o foco de receitas adicionais para as micro-transações.

Sonic Forces

A decisão de abdicar de um passe de expansões parece-nos bastante positiva, porque isso significa que a base de jogadores já não será dividida entre os que têm e os que não têm expansões. Também gostámos da inclusão de uma campanha de estória, que embora esteja longe de ser fantástica, é perfeitamente apreciável por fãs de Star Wars. Já foi confirmado que a estória de Star Wars Battlefront II pertence oficialmente à saga, misturando algumas personagens dos filmes antigos, com outras mais recentes. Gostámos particularmente do conceito da campanha, centrada na personagem de Iden Version (interpretada por Janina Gavankar). Iden é a líder do Inferno Squad, um esquadrão de elite do Império. Por outras palavras, isto significa que vão jogar com o lado "mau" de Star Wars.

Os eventos desta estória estão ligados diretamente ao final de Star Wars: O Regresso do Jedi, e é evidente que a DICE dedicou algum tempo a pensar em formas de ligar esse filme, Battlefront II, e até o episódio seguinte, O Despertar da Força. Nesse aspeto lembra-nos da ligação entre Rogue One e Uma Nova Esperança. Existem muitas referências, algumas subtis, outras óbvias, mas apreciámos várias das sequências de estória no jogo. Gostámos das interpretações, do guião, e das surpresas.

Infelizmente, já não gostámos tanto da campanha em si. Não é necessariamente má, mas algumas missões são francamente banais, com eventos e situações que já vimos no passado. Em termos de jogabilidade, a campanha nunca nos impressionou ou surpreendeu, limitando-se a cumprir os mínimos. A verdade é que, em termos de campanha, jogámos bem melhor que isto nos últimos anos. As missões são o maior problema, mas o ritmo da estória também não é perfeito. Sem estragarmos surpresas, podemos referir que Iden não é a única personagem jogável, e quando existem estas mudanças, o jogo sofre em termos de fluidez narrativa.

Além da campanha também existe um modo arcade, com 16 missões à base de objetivos, algumas do lado do Império, outras dos Rebeldes. Podem jogar a solo, mas este modo é interessante sobretudo por incluir uma opção cooperativa, e é uma boa forma de passarem tempo com um amigo que partilhe do vosso gosto por Star Wars.

Star Wars Battlefront II © Gamereactor Star Wars Battlefront II

Depois temos o prato principal, o modo online. Em termos de experiência imediata, de jogabilidade no momento, é brilhante. O jogo tem vários incentivos para os jogadores agirem em conjunto, os heróis funcionam de forma mais equilibrada, e existe mais conteúdo aéreo para quem apreciar essa vertente. Tudo espetacular, mas também existem micro-transações. Em conceito parecem estar perigosamente próximas de uma fórmula "pay-to-win", mas durante as horas que passámos a jogar, não sentimos realmente isso. Não sabemos que tipo de efeito as micro-transações podem criar depois da comunidade global começar a jogar, mas para já, estamos a desfrutar do multijogador de Battlefront II sem necessidade de recorrer a dinheiro real.

O maior problema pode ser criado pelas Star Cards e Ability Cards, ganhas através de caixotes de loot. Para receberem estes caixotes têm de cumprir certos objetivos no jogo, ou comprá-los com créditos, créditos esses que são ganhos conforme realizam várias atividades, ou adquiridos com dinheiro real. Existem vários graus de qualidade e raridade para as cartas, mas se tiverem recursos, também podem construir cartas específicas. Uma diferença é que as cartas que saem em caixotes ficam imediatamente disponíveis, enquanto que as cartas construídas requerem que atinjam certos requerimentos. Ou seja, à partida, quem gastar dinheiro real tem mais hipóteses de aceder às melhores cartas sem necessitar de cumprir requisitos. Estas cartas não conferem vantagens absurdas, e não partem o jogo, mas é um sistema que ainda assim não nos agrada, sobretudo em teoria.

Mas é o que é, e pelo menos para já, não sentimos muitos efeitos práticos negativos. Sentimos sim que o online de Star Wars Battlefront II tem um potencial tremendo. O modo Starfighter Assault, por exemplo, coloca equipas de 12 em confronto entre vários cenários e contextos de batalhas aéreas. O design é fantástico, e a jogabilidade é estupenda.

O modo Galactic Assault é novamente o mais apetecível, dividido em duas fases, mas com uma grande diferença. Agora já não vão desbloquear classes avançadas ou heróis encontrando itens nos níveis, mas através dos pontos que ganharam durante a primeira fase de Galactic Assault. É um sistema mais justo, que impede que um lado 'acampe' em cima dos itens de heróis, por exemplo. Também existe um Heróis versus Vilões, de 4 contra 4, que é engraçado. Podem assumir o papel de várias personagens do universo Star Wars, e embora inicialmente fosse necessário muitas horas a jogar para desbloquear os heróis mais importantes, esse número foi substancialmente reduzido depois de críticas dos jogadores.

Star Wars Battlefront II inclui uma boa seleção de personagens, mapas, e veículos para o modo online, e mais serão acrescentados no futuro. Em dezembro será introduzido conteúdo relacionado com Star Wars: Os Últimos Jedi, por exemplo, e tudo isto será gratuito para quem comprar o jogo. Ou seja, Battlefront II é bem mais robusto em termos de conteúdo do que era o primeiro jogo.

Micro-transações à parte, também gostámos da forma como as classes e as cartas funcionam. Inicialmente podem escolher entre quatro classes, mas à medida que ganham pontos, podem selecionar classes mais avançadas e especializadas. O sistema de cartas e habilidades permite personalizar as classes, e se jogarem com um amigo, podem criar um conjunto que se complemente, por exemplo.

Star Wars Battlefront II © Gamereactor Star Wars Battlefront II

Não podemos terminar sem referir os espetaculares níveis de produção do jogo. Star Wars Battlefront II é brilhante em termos de som e grafismo, tudo devidamente recriado tendo como base os filmes. Com conteúdo retirado das três eras de Star Wars, Battlefront II consegue proporcionar momentos que irão deixar os fãs da saga boquiabertos. Honestamente, é um dos jogos mais impressionantes que já vimos e ouvimos.

A campanha de estória podia ser bem melhor, mas tem ainda assim o condão de levar os jogadores através de uma estória que pertence oficialmente à saga. O mesmo pode ser dito do modo arcade, divertidíssimo com um amigo. Mas, sem surpresa, o grande destaque é o modo online. Divertimos-nos imenso, e apesar de toda a controvérsia, nunca sentimos que a nossa experiência pessoal estivesse a ser prejudicada pela sua inclusão. Não conseguimos prever como o online irá desenvolver no futuro, e que impacto as micro-transações terão a longo prazo, só podemos falar da experiência que tivemos, e essa foi bastante positiva.

AdChoices
AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon