Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Joe Berardo recebeu 48 milhões em benefícios fiscais ao longo de três anos

Logótipo de ECO.PT ECO.PT 18/05/2019 ECO
berardo © Swipe News, SA berardo As empresas de Joe Berardo acumularam mais de 48 milhões de euros em benefícios fiscais entre 2015 e 2017, segundo noticia este sábado o Expresso (acesso pago). Quase todo o valor diz respeito à Empresa Madeirense de Tabacos (EMT), segundo relevam as estatísticas da Autoridade Tributária consultadas pelo semanário.

A tabaqueira (participada em 48,8% pela Fundação José Berardo) obteve 16 milhões de euros em benefícios fiscais em 2015, a que se seguiram 19 milhões em 2016 e 13,1 milhões em 2017. Benefícios que resultam da aplicação nas regiões autónomas de uma taxa mais baixa de imposto sobre o tabaco e de uma redução do IRC por estar instalada na Zona Franca da Madeira.

Além destes 48,1 milhões, houve outras empresas detidas pelo madeirense a beneficiar de taxas mais reduzidas. O Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e o Imposto de Selo pouparam 36 mil à Fundação José Berardo, enquanto IRC e Imposto Municipal sobre Transmissões de Imóveis (IMT) de cerca de 42 mil não foram pagos pela Bacalhôa Vinhos de Portugal. Já a Matiz, empresa ligada à Quinta da Bacalhôa, recebeu um benefício fiscal de 12 mil euros, acrescenta o Expresso.

O comendador foi na semana passada à Assembleia da República para responder às perguntas dos deputados sobre os créditos ruinosos em que se envolveu e que acabaram por resultar em perdas de milhões à Caixa Geral de Depósitos (CGD). Segundo a auditoria da EY, Berardo devia ao banco público cerca de 320 milhões de euros, no final de 2015.

A consultora quantifica as perdas por imparidade na ordem dos 150 milhões de euros, mas a CGD não é o único banco que ficou a perder com o empresário. O BCP e o Novo Banco também foram lesados com os empréstimos. Os três bancos avançaram em conjunto para os tribunais para tentar recuperar parte dos 864 milhões de euros que emprestaram ao empresário e dos quais foram devolvidos apenas 2,2 milhões de euros entre 2012 e 2029, de acordo com dados consultados pelo Observador.

]]>
AdChoices
AdChoices

Mais de Eco.pt

image beaconimage beaconimage beacon