Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Quem vai suceder a Christine Lagarde?

A nomeação de Christine Lagarde para presidente do Banco Central Europeu abre uma corrida pela liderança do Fundo Monetário Internacional (FMI). De acordo com os requisitos oficiais, o sucessor ou a sucessora de Lagarde terá de ter um historial significativo na elaboração de políticas económicas a um nível senior. O FMI tem sido tradicionalmente liderado por um europeu, enquanto o Banco Mundial tem sido dirigido por um norte-americano. Cinco dos 11 líderes do FMI foram cidadãos franceses, incluindo os últimos dois. Isto pode eventualmente reduzir as hipóteses de Benoît Coeuré, Bruno Le Maire ou de Pierre Moscovici. O britânico Mark Carney, nascido no Canadá e detentor de um passaporte irlandês, é apontado como um dos candidatos mais fortes. O seu mandato como governador do Banco de Inglaterra acaba em janeiro do próximo ano. É bem visto pelos ministros das Finanças e pelos governadores dos bancos centrais. No dia a seguir ao referendo do Brexit, Carney prometeu um apoio extra ao sistema financeiro. Desde então foi acusado de envolvimento na política com um aviso sobre o Brexit no caso de um não acordo. Outro dos nomes apontados é George Osborne, ex-ministro das Finanças do Reino Unido. Terá dito aos seus amigos que está a ponderar esta possibilidade. Mas a reputação de ser um dos arquitetos da austeridade no Reino Unido e o seu historial no Brexit podem ser obstáculos. Os europeus do Leste ficaram de fora dos principais cargos da União Europeia. Daí que Kristalina Georgieva possa ser candidata. Seria a segunda mulher a liderar o FMI. A búlgara tem um longo currículo em posições-chave da Comissão Europeia e das Nações Unidas. Atualmente é a diretora-executiva do Banco Mundial. Outro possível candidato europeu é Mario Draghi, presidente cessante do Banco Central Europeu. Com 71 anos ultrapassa a idade limite para o cargo. Mas se Christine Lagarde pode dirigir o Banco Central Europeu sem ter experiência em política monetária ou em bancos centrais, pode ser que haja alguma flexibilidade, tendo em conta o currículo de Draghi.
image beaconimage beaconimage beacon