Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Finance - Top Stories - Finanças pessoais, negócios, carreira e luxo

Ricos estão menos ricos. Riqueza dos multimilionários cai pela primeira vez em 10 anos

Logótipo de ECO.PT ECO.PT 08/11/2019 Isabel Patrício
dinheiro, euro, salário, fringe benefits © Swipe News, SA dinheiro, euro, salário, fringe benefits As pessoas mais ricas do mundo ficaram um pouco menos ricas no ano passado, revela um estudo do UBS e da PwC, citado pela Reuters, esta sexta-feira. A respetiva riqueza baixou em 388 mil milhões de dólares (cerca de 350 mil milhões de euros), para um total de 8.539 biliões de dólares, com a queda a ser mais acentuada a ser registada na China, a segunda maior “casa” de milionários do mundo. As tensões geopolíticas e a volatilidade dos mercados conduziram a uma quebra nas fortunas dos mais ricos.

De acordo com o estudo do UBS, os bancos sofreram com os efeitos da intensa guerra comercial entre Pequim e Washington e com as incertezas que marcaram o panorama político internacional, em 2018, o que afastou os clientes dos investimentos. “A riqueza dos multimilionários caiu em 2018 pela primeira vez desde 2008 por causa da geopolítica”, explica, nesse sentido, o relatório.

Na maior “casa” de milionários do mundo, a China, o património dos mais ricos recuou 12,8% face à instabilidade dos mercados, à fragilidade da moeda e ao abrandamento da segunda maior economia do mundo. Ainda assim, a China continua “a ver nascer”, a cada dois a cinco dias, um novo multimilionário, salienta o estudo do UBS.

Em termos globais, o número de multimilionários caiu em todo o mundo, exceto nas Américas, onde os empreendedores da área tecnológica continuam a escalar o ranking norte-americano das pessoas mais ricas. “Este relatório mostra a resiliência da economia norte-americana”, lê-se.

O UBS termina, dizendo que as famílias mais abastadas do mundo mantêm-se preocupadas com as matérias internacionais, das tensões comerciais entre a China e os EUA ao Brexit, passando pelo populismo e pelas alterações climáticas.

]]>
AdChoices
AdChoices

Mais de Eco.pt

image beaconimage beaconimage beacon