Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Finanças pessoais, negócios, carreira e luxo

Volkswagen mantém-se na Autoeuropa

Logótipo de TSF TSF 13/09/2017 TSF com Lusa

O presidente executivo da Volkswagen afasta a hipótese de transferir a produção do novo modelo T-Roc da Autoeuropa. Herbert Deiss espera que seja encontrada uma solução para o conflito laboral na fábrica de Palmela até outubro.

image/jpeg © image/jpeg image/jpeg

"Sim, definitivamente", respondeu Herbert Deiss à questão colocada num encontro com jornalistas portugueses sobre o próximo mês ser a data-limite para chegar a uma solução entre trabalhadores e a administração da Autoeuropa em relação ao trabalho ao sábado, para assegurar a produção do novo modelo da marca.

No salão automóvel de Frankfurt, na Alemanha, Herbert Deiss garantiu que o construtor "não está a considerar outras opções" para a produção do T-Roc, realçando que seria "muito dispendioso alterar o local de fabrico".

"Podemos vender tantos carros quantos Portugal puder produzir", acrescentou o dirigente, notando os planos de descontinuar a produção de veículos menos atrativos.

No encontro com jornalistas em Frankfurt, promovida pela marca alemã, o CEO da Volkswagen recordou a conversa que já teve com o ministro da Economia, Caldeira Cabral, garantindo que "todas as partes têm muito interesse chegar a um acordo".

Herbert Deiss admitiu que a contestação dos trabalhadores à proposta de novos horários face à produção de um novo modelo, que culminou numa greve a 30 de agosto, "é uma preocupação" e foi "uma surpresa" dadas as "relações laborais estáveis e de confiança" durante cerca de 20 anos, que fizeram com que nunca houvesse antes uma greve na empresa por motivos laborais.

O responsável lembrou alterações recentes na unidade de Palmela, tanto na direção de recursos humanos como na representação dos trabalhadores (na Comissão de Trabalhadores), numa fábrica elogiada pelo dirigente, a nível das "competências".

Questionado sobre o que está em causa nas negociações com os trabalhadores, Deisse considerou que se trata de "uma combinação" de fatores e recordou que, com o novo modelo, a fábrica regressará à capacidade plena de produção.

Os trabalhadores da Autoeuropa contestam a obrigatoriedade de trabalhar ao sábado após a implementação do novo horário de laboração contínua, com três turnos diários de segunda a sábado.

AdChoices
AdChoices

Mais da TSF

image beaconimage beaconimage beacon