Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Inflação, juros e novas variantes ameaçam correção na bolsa, alerta CMVM

Logótipo de ECO.PT ECO.PT há 2 dias Alberto Teixeira
Gabriel Bernardino, presidente da CMVM © Swipe News, SA Gabriel Bernardino, presidente da CMVM Alta inflação, aumento rápido dos juros pelos bancos centrais e novas variantes do coronavírus podem provocar correções significativas nos preços das ações, alertou o regulador do mercado esta sexta-feira.

Os preços das ações encontram-se em “níveis historicamente elevados”, e há mesmo “segmentos do mercado com indícios de alguma exuberância”. As cotações beneficiaram das ações dos bancos centrais e governos para travar a pandemia nos últimos dois anos. “Mas são cada vez mais fortes os sinais de inversão da política monetária”, avisa a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) no relatório Risk Outlook para 2022, publicado esta sexta-feira.

“Se as taxas de juro diretoras aumentarem mais cedo e mais do que o previsto, os mercados obrigacionistas tenderão a reagir, com o consequente aumento das yields. A preocupação com o risco de inflação tem crescido nos mercados financeiros”, explica o regulador liderado por Gabriel Bernardino.

O alerta para uma bolha nas bolsas não é novo. Agora o aviso é para os investidores se precaverem face a uma correção num quadro de aceleração dos preços que vai obrigar os bancos centrais a atuarem de forma mais agressiva do que o previsto, como já indiciou a Reserva Federal norte-americana na semana passada, com os mercados a mostrarem-se muito nervosos.

Neste quadro, “o eventual aumento da taxa de inflação e das taxas de juro poderá inverter o ritmo de ganhos no mercado acionista” e “essas correções de preços poderão ser exacerbadas devido à excessiva alavancagem de alguns investidores, que poderão ser forçados à alienação de posições”.

Acrescenta ainda o polícia dos mercados que “um aumento abrupto e rápido nas taxas de juros de longo prazo, ou o surgimento de novas variantes do SARS-CoV-2 que sejam resistentes às vacinas existentes, poderão igualmente originar correções nos mercados financeiros”.

]]>
AdChoices
AdChoices

Mais de Eco.pt

image beaconimage beaconimage beacon