Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Controlo da Thomas Cook pode passar para mãos chinesas

A bóia de salvação da mais antiga agência de viagens do mundo poderá vir da China. A empresa britânica, Thomas Cook, está a tentar negociar com o seu acionista chinês, Fosun, um resgate de 750 milhões de libras - mais de 940 milhões de euros, que não só passa o controlo para o grupo Fosun Tourism mas atribui-lhe também uma participação minoritária nos negócios aéreos da Thomas Cook. O negócio está a ser feito à margem de outros acionistas de longa data, que não se mostram satisfeitos, mas segundo a direção é puro pragmatismo para tentar manter viva a Thomas Cook. Desde que as negociações foram tornadas públicas, as ações da Thomas Cook já cairam 30% O Fosun International é um dos maiores conglomerados da China, que passou os últimos anos a comprar empresas na área dos cuidados de saúde, turismo e moda nos Estados Unidos e na Europa. Entre outros detém o Club Med e o clube de futebol Wolverhampton Wanderers.
image beaconimage beaconimage beacon