Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Veja se a escola do seu filho vai mudar os currículos

Logótipo de Delas Delas 10/08/2017 carlabernardino

A lista já foi revelada. Saiba quais são todas as escolas que vão aderir já no próximo mês ao projeto-piloto da flexibilização curricular

Escola primária de Geelong, na Austrália, proíbe abraços. Às crianças foi dito para encontrarem outras formas de demonstrarem os afetos. © Fornecido por GLOBAL NOTÍCIAS, Publicações, S.A. Escola primária de Geelong, na Austrália, proíbe abraços. Às crianças foi dito para encontrarem outras formas de demonstrarem os afetos.

A Direção-Geral de Educação pretende publicar a lista das escolas públicas e privadas que vão introduzir alterações nos planos curriculares, integrando um projeto-piloto de flexibilização.

Ao todo, e por todo o território nacional, são 161 escolas públicas – representando cerca de 21% o total da rede de ensino – e 61 escolas privadas. Há ainda quatro escolas particulares no estrangeiro que vão também aderir a este projeto-piloto.

Artigos recentes: Mulheres formadas para o combate em 15 dias 

Amamentação não prevista na lei pode gerar "desigualdade inaceitável"

Joana Alves é campeã mundial de MuayThai

Veja a lista de todas as escolas aqui

É importante vincar que, para este ano, só os primeiros anos letivos de cada ciclo, ou seja, o 1º, o 5º, o 7º e o 10º ano vão estar abrangidos por esta opção. Mas atenção: apenas nas escolas que aderem e para algumas turmas.

O que muda?

A partir deste ano, as escolas que puserem em marcha a flexibilização vão ter de integrar nos currículos duas novas disciplinas: a Cidadania e a de Desenvolvimento e Tecnologias de Informação e Comunicação.

Ao mesmo tempo, as instituições de ensino que aderirem à flexibilização dos currículos, um modelo aprovado por decreto em julho último, têm margem para mudar a forma de ensinar em 1/4 do tempo, ou seja em 25% do horário curricular.

Assim, as escolas passam a ter opção de usar aquela percentagem de tempo para modelos de alternância entre semanas de aulas regulares e tempos para mobilizar todas as turmas para atividades coletivas.

Neste modelo, é possível convocar, durante alguns dias, toda a comunidade escolar para trabalhar, por junto, num tema social, organizacional, de cidadania ou outro que a instituição considere importante.

Releia a notícia: Presidente Marcelo tira o peso das costas das crianças

No caso do 10º ano, recorda ainda aquele jornal, as disciplinas podem passar a ser semestrais – deixando de ser anuais e replicando o que acontece nas universidades – e os alunos podem escolher trocar uma disciplina da sua área de ensino por outra.

Já fez as contas ao que vai gastar este ano em livros? A fatura pode ir dos 56 aos 196 euros

Flexibilização é para ser alargada a outros anos letivos

E agora, uma especial chamada de atenção para os pais cujos filhos não frequentam aqueles primeiros anos de cada ciclo (ou seja, os que vão estar sujeitos à experiência): Se o seu filho frequenta outros períodos letivos que não os contemplados, os progenitores não podem deixar escapar nenhum detalhe deste projeto-piloto porque o objetivo é alargar a experiência a toda a escolaridade obrigatória a breve trecho.

Imagem de destaque: Shutterstock

AdChoices
AdChoices

Mais de Delas.pt

image beaconimage beaconimage beacon