Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

“Entrou na fase final”: iceberg do tamanho de Nova Iorque vai separar-se da Antártida

Logótipo de Expresso Expresso 08/04/2019 Expresso

Cientistas acreditam que dentro de dois meses poderá existir um novo iceberg com uma área de 1500 quilómetros quadrados e uma espessura entre os 150 e 250 metros. No entanto, nada indica que este fenómeno seja consequência das alterações climáticas

Expresso © Rosemary Calvert/ Getty Images Expresso

Sabe quanto são 1200 quilómteros quadrados? Para facilitar dizemos-lhe que 1200 quilómteros quadrados - mais metro, menos metro - são o equivalente à área da cidade de Nova Iorque, nos EUA. É também a dimensão do iceberg que está prestes a soltar-se da Antártida: a separação deste enorme-gigante bloco de gelo já é controlada há alguns anos, mas agora os cientistas alertam que entrou “na fase final”.

O futuro iceberg (ainda não o é porque ainda está agarrado à Antártida), conhecido como Brunt Ice Shelf, vai ter uma dimensão de 1500 quilómteros quadrados e uma espessura que pode variar entre os 150 e os 250 metros. A primeira fissura surgiu há 35 anos e, em 2012, voltou a dar sinais de movimento. Desde então, tem aumentado continuamente. Há três anos, apareceu mais uma. Quando ambas se encontrarem em determinado ponto, o mais provável é que a tal separação aconteça.

“O que muitas pessoas não percebem é que este é um processo natural que acontece várias vezes. Reconhecemos que o impacto das alterações climáticas é um problema bastante grave e com consequências em todo o mundo, sobretudo na Antártida. No entanto, não há qualquer indicação nas nossas investigações de que este acontecimento em particular esteja relacionado de alguma forma com as alterações climáticas”, disse o cientista Hilmar Gudmundsson, citado pela “New Atlas”.

A separação, estimam, deve acontecer dentro de dois meses. Segundo os investigadores, não é expectável que este acontecimento provoque a subida do nível das águas, uma vez que o bloco gigante de gelo já flutua no oceano e, devido ao peso, já afasta a mesma quantidade de água do que aquela que irá acrescentar ao mar quando começar a derreter.

AdChoices
AdChoices

Mais de Expresso

image beaconimage beaconimage beacon