Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

O melhor do mundo automóvel está aqui

Opel poderá dedicar-se a carros elétricos

Logótipo de Autohoje Autohoje 16/02/2017 buzina@motorpress.pt (Motorpress Lisboa)
Opel poderá dedicar-se a carros elétricos © Fornecido por Motorpress Lisboa Opel poderá dedicar-se a carros elétricos

Numa altura em que PSA (dona da Peugeot, Citroën e DS) e General Motors (GM) já assumiram a existência de uma evolução significativa das negociações acerca de uma possível aquisição da Opel (e possivelmente da Vauxhall) por parte do grupo francês - algo que deverá ficar definido em maio - em entrevista à revista semanal Manager Magazin, Karl-Thomas Neumman, o responsável máximo da marca alemã anunciou que propôs à restante direção que este emblema se dedique ao lançamento de modelos 100% elétricos. Caso este intento se concretize, a Opel deverá utilizar a mesma plataforma que já utilizou no Ampera-e (na image, que será lançado em Portugal em 2018) e o Chevrolet Bolt. A transição entre os modelos com motor a combustão e os elétricos será progressiva, com divisões próprias a dividir os “novos” e os “velhos” Opel, sendo de prever que o processo esteja concluído em 2030.

Entretanto, citado pela Reuters, Carlos Tavares, CEO do grupo PSA, afirmou que o objetivo é que a Opel se mantenha uma marca alemã, caso o negócio supracitado se concretize. O português pretende agendar em breve um encontro com a chanceler alemã Angela Markel e com responsáveis da marca e respetivos sindicatos de modo a propor uma aliança entre um construtor francês e um alemão - sem que isso implique despedimentos e o “desmantelamento” da estrutura existente. A CEO Mary Barra e o presidente da GM Dan Ammann também reunirão com responsáveis do governo alemã nos próximos tempos. O acordo colocaria a Opel e PSA “em posição para melhorarem a sua posição num mercado em mudança como é o caso do Europeu”, disse Barra. Para já ainda não está definido se este acordo envolverá despedimentos ou redução da capacidade de produção nas fábricas de ambas as partes. Neste momento, a GM emprega na Europa 38 mil pessoas (19 mil na Alemanha e 4500 no Reino Unido).

Recorde-se que Opel e PSA já partilham o desenvolvimento e produção conjunta de alguns modelos, nomeadamente SUV e comerciais. Exemplo disso são o novo SUV de Peugeot 3008 que será irmão do Opel Grandland X e os crossovers Peugeot 2008 e o Opel Crossland X. Isto significa que existem neste momento três fábricas com equipas de engenharia preparadas para se encarregarem de mais modelos. De acordo com as previsões da GM, a Opel poderá vir a dar lucro em 2018. O governo francês, que atualmente tem 14% da PSA, e a família Peugeot ainda não se pronunciaram acerca deste possível negócio.

(fonte: Autohoje)

AdChoices
AdChoices

Mais da Autohoje

image beaconimage beaconimage beacon