Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autos - Top Stories - O melhor do mundo automóvel está aqui

MBUX e 48 volts em destaque no novo Mercedes GLE

Logótipo de Turbo.pt Turbo.pt 12/09/2018 Nuno Fatela
© Turbo

Com apresentação oficial marcada para o Salão de Paris, foi hoje dado a conhecer o novo Mercedes GLE, que estará no mercado europeu logo no arranque de 2019 e repleto de novidades.

Já foi conhecido o novo Mercedes GLE, que substitui o modelo que em 2015 acolheu esta designação em detrimento do anterior nome Classe M. Parece estranho mas, para quem já não se recorda, esta foi a forma encontrada pela marca de dar maior proximidade entre os SUV e as gamas de berlinas. Neste caso, estamos num patamar intermédio, mas já repleto de luxo, da oferta do fabricante germânico, pois o GLE tem ligação à família Classe E.

 



Com apresentação marcada para o Salão de Paris, o novo Mercedes GLE vem repleto de novidades. As maiores estão nas motorizações, com o recurso ao sistema elétrico de 48 volts para apoio ao bloco a gasolina e a confirmação de que será integrado na oferta um GLE híbrido de Plug-In. Destaque também para a relação entre carro e condutor, pois além de integrar o MBUX a marca também dotou este avançado sistema de infotainment com novas capacidades. Outras áreas onde o GLE evolui são o seu design e também no conforto interior, especialmente pelo aumento da habitabilidade.


Motores, Suspensões e Tração Integral


No momento de lançamento vai estar disponível o Mercedes GLE 450 4MATIC, que recorre a um motor a gasolina de seis cilindros apoiado pelo EQBoost (aproveitando a sigla destinada aos elétricos como o novo EQC) que recorre ao sistema elétrico de 48 volts. Ao fornecer a corrente ao motor de arranque/alternador integrado (ISG), ele oferece aos 367cv e 500Nm da combustão uma força adicional de 22cv e 250Nm. Foi já confirmada a posterior introdução na gama do SUV de um motor Diesel e um híbrido de Plug-In.


A Mercedes explicou os motivos da opção pelos 48 volts, destacando a simplificação do conjunto pela eliminação da correia de acessórios na dianteira do motor pela utilização do ISG. Ele refere que essa situação, juntamente com a separação física entre admissão e escape, “cria espaço para a instalação do sistema de pós-tratamento dos gases de escape junto ao motor. O sistema elétrico de bordo de 48 V serve não só para os clientes que consomem uma elevada quantidade de energia como a bomba de água e o compressor do ar condicionado, mas também para o Motor de Arranque/Alternador Integrado (ISG) que também fornece energia à bateria através da recuperação altamente eficiente de energia”.

 

A energia é depois canalizada para o sistema de tração integral 4MATIC através de uma transmissão automática 9G-Tronic. Este modo de gestão da potência pelos eixos fica responsável pela estreia do TonD, o sistema de distribuição de binário entre os dois eixos numa relação que varia entre 0% e 100% de acordo com o programa escolhido para a transmissão. Esta é, refere a Mercedes, uma estreia para os seus modelos de seis e oito cilindros e híbridos de Plug-In. Além disso, com o pack off-road, ele contempla uma caixa de redutoras que melhora as capacidades do Mercedes GLE fora do asfalto.

Outra das grandes inovações do SUV da família “E” passa pelo recurso à suspensão hidropneumática ativa que está interligada aos 48 volts. Ele permite um controlo individual das molas em cada roda, sendo destacados os benefícios de maior estabilidade da carroçaria e menos oscilações verticais.


Um design mais evoluído, tal como as tecnologias


Luxo e modernidade em todos os terrenos é aquilo que o Mercedes GLE pretende oferecer ao condutor e passageiros, recebendo para tal evoluções importantes no design, conforto e tecnologias. A marca começou por oferecer uma grande distância entre os eixos, colocados muito próximos das extremidades do SUV, algo que contribui desde logo para marcar a sua postura e enfatizar a habitabilidade. E depois, foi só colocar sobre esta estrutura a filosofia ‘Pureza Sensual’ numa imagem com superfícies bastante modeladas.



A imagem da dianteira é dominada pela combinação entre a grelha verticalizada e o perfil das óticas Multibeam LED (com UltraRange que de noite torna visíveis os objetos a 650 metros de distância). Ao ser visto de perfil, sobressaem elementos com as grandes cavas que acomodam as jantes entre 18’’ e 22’’, o volumoso Pilar C, os frisos cromados e as barras de tejadilho. Já o visual da retaguarda é sublinhado pelos ombros musculados e o perfil tecnológico da iluminação.

Além da elegância, a perfeição aerodinâmica foi outra das preocupações no desenvolvimento do novo Mercedes GLE. Daí que a marca refira que os seus 0.29 de coeficiente nesta área sejam destacados como o melhor valor do segmento. E para tal, foi benéfica a introdução de diversos elementos, como a grelha ativa, spoilers nas duas extremidades, jantes e pneus otimizados e o difusor com um revestimento específico.

 

A bordo encontramos maiores áreas, com destaque para os que estão destinados aos passageiros da fila intermédia. Isto, claro, se optar por transformar o Mercedes GLE num modelo para sete passageiros. Assim, quem se acomode atrás do condutor e “pendura”, tem agora mais 69mm para esticar as pernas, pois o comprimento total a separar as duas filas cresceu para 1045mm. Outra área focada foi a facilidade de utilização da bagageira, que tem mais 70mm de largura para o acesso ao espaço de 825l, extensíveis a um máximo de 2055l se fizer do GLE um modelo para somente dois passageiros.

Nas tecnologias a maior novidade está na inclusão do MBUX. E não apenas porque se trata do que é, provavelmente, o mais avançado infotainment da atualidade, mas também porque a marca o elevou agora para novos patamares no GLE. Tudo graças à maior interatividade, pois o sistema passa a reconhecer movimentos (com o opcional Interior Assist), e ao aproximar as mãos dos controlos táteis (se não optar pelos comandos vocais) os ecrãs vão reagir. E esta adição ao MBUX a Mercedes junta outras novidades, num total de 40 novas funções. E, no lado da comodidade de utilização do sistema, há que destacar o novo display que tem o dobro do tamanho (45cm X 15cm) e projeta informações a cores no ecrã com um brilho 20% superior.



Nas assistências de condução do novo Mercedes GLE, a palavra-chave é Active. Isto porque as maiores novidades estão na capacidade do SUV assumir as funções de condução tanto em trânsito congestionado como no para-arranca. Recorrendo às designações oficiais, falamos do Active Distance Assist Distronic, do Active Brake Assist e do Active Stop-and-Go (com Active Steering Assist e Active Distance Assist). Ou seja, também nas assistências o Mercedes GLE mostra aquilo a que se destina, a garantir muita liberdade para que o condutor faça todas as atividades em qualquer terreno que escolha para a sua aventura.

AdChoices
AdChoices

Mais de Turbo

image beaconimage beaconimage beacon