Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Autos - Top Stories - O melhor do mundo automóvel está aqui

Renault 900, o estranho concept car de 1959

Logótipo de Jornal dos Clássicos Jornal dos Clássicos 14/04/2019 Tiago Nova
© Fornecido por Fluid do Interactive - Soluções Multimédia e Design, Lda

O Renault 900 é um protótipo produzido em 1959, equipado com um motor V8 a 90 graus na traseira, produzido a partir de dois motores de quatro cilindros em linha Ventoux, o mesmo que equipava o Renault Dauphine, com 1.7 litros de cilindrada. O bloco em alumínio e a cambota são específicos deste motor, assim como o colector de admissão e do escape, posicionados no centro do V. A alimentação de combustível era feita através de um carburador duplo Weber ou Solex, dependendo da versão, com o motor debitar 80 cv.

O seu desenho é bastante estranho, levando muito a sério o estilo “cab-forward”, parecendo mesmo que está a andar de marcha-atrás. E foi isso mesmo que Fernand Picard pensou, tendo desenvolvido um desenho em formato carrinha e, posteriormente, trocou a frente com a traseira. Este projecto foi desenvolvido para suceder ao Renault Frégate, como muitos outros produzidos na época.

O primeiro protótipo construído foi o de cor dourada e foi desenvolvido pela Ghia, mas este apresentava problemas de espaço para bagagem, que se situava entre os bancos de trás e o motor. Por esse motivo foi produzido um outro protótipo, de cor verde e desenhado por André Daniel, em que o motor V8 foi movido para a frente, ficando em cima do eixo, de modo a ter um compartimento para a bagagem na traseira. Além disso, foi alterado o desenho da traseira, com novos farolins. Foi ainda produzido um terceiro protótipo, com um desenho “fastback” e de cor branca, com o design a cargo de Robert Barthaud.

Apesar de este protótipo não ter passado para a produção, ele foi inovador em várias áreas. A primeira era a sua carroçaria construída em alumínio e que fazia com que o automóvel pesasse cerca de uma tonelada. A segundo dizia respeito à coluna de direcção que é ajustável, o que dá ao condutor mais espaço para entrar. Apesar dos extensos testes levados a cabo em Lardy, a Renault nunca conseguiu tornar o 900 seguro, pois os bancos da frente estavam montados em cima do eixo da frente. Por esse mesmo motivo, o Renault 900 nunca passou a fase de protótipo. Segundo parece, os protótipos dourado e verde sobreviveram até aos nossos dias, no entanto, não existe qualquer referência ao “fastback”, existindo só uma foto da época.

[smartslider3 slider=715]

AdChoices
AdChoices

Mais do Jornal dos Classicos

Jornal dos Clássicos
Jornal dos Clássicos
image beaconimage beaconimage beacon