Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Governo iraniano não descarta Síria como destino do petróleo

Depois de ordem de liberdade para partir, ainda não se sabe qual o destino do petroleiro iraniano que tinha sido apreendido por Gibraltar. O navio, já com um novo nome e com um novo pavilhão, carregava dois milhões de barris de petróleo iraniano que teriam como destino a Síria, o que violaria as normas da União Europeia. Depois do acordo e depois do petroleiro ser libertado, as negociações são contadas de maneira diferente. O chefe do governo de Gibraltar, Fabian Picardo, disse que tinha recebido uma promessa escrita de Teerão de que o petróleo não seguiria para a Síria depois de libertado. Mas, o porta-voz da diplomacia iraniana, veio, mais tarde, negar tal promessa. "O Irão não deu nenhuma garantia de que o 'Grace 1' não seguirá para a Síria" , declarou o porta-voz da diplomacia iraniana, Abbas Musavi, ao canal público IRIB. O irão esclareceu, e disse que o destino inicial do petroleiro nunca foi a Síria, e, mesmo que fosse, ninguém tinha nada a ver com o caso. "O destino do petroleiro não era a Síria (...) e, mesmo se fosse o caso, não é da conta de ninguém" , frisou. Ainda não se sabe para onde e quando parte o navio iraniano, apenas se sabe que partirá para o mediterrâneo, como afirmou o vice-diretor dos portos iranianos.
image beaconimage beaconimage beacon