Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

MPLA vai homenagear José Eduardo dos Santos pela forma como dirigiu Angola e o partido

Logótipo de LusaLusa 12/06/2018

Luanda, 12 jun (Lusa) - O secretariado do Bureau Político do MPLA apreciou hoje a proposta de homenagem a José Eduardo dos Santos, ex-Presidente de Angola e líder do partido no poder, desde 1979, um "merecido reconhecimento" pelos seus feitos.

A informação consta do comunicado final da 10.ª reunião ordinária do secretariado do Bureau político do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), orientada pelo vice-presidente do partido e Presidente da República, João Lourenço, que serviu para analisar vários assuntos ao país e a vida interna da formação política.

A homenagem a José Eduardo dos Santos tem ainda como propósito reconhecer "a forma abnegada e patriótica como dirigiu o país e o partido, destacando-se o facto de ter praticado, com dignidade e distinção, feitos humanitários, de solidariedade e concórdia memoráveis, na busca da paz definitiva, que culminou com a reconciliação entre os angolanos".

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA © EPA / MANUEL DE ALMEIDA MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

José Eduardo dos Santos, de 75 anos, anunciou em 2016 que este ano deveria deixar a vida política ativa, tendo confirmado a sua saída, na última sessão extraordinária do Comité Central do MPLA, realizada a 25 de maio, argumentando que "tudo o que tem um começo tem um fim".

A liderança do MPLA foi assumida por José Eduardo dos Santos a 21 de setembro de 1979, na sequência da morte do primeiro Presidente de Angola, António Agostinho Neto, a 10 de setembro do mesmo ano, em Moscovo.

Na altura, com 37 anos, José Eduardo dos Santos admitiu que não seria "uma substituição fácil nem possível".

Para efetivar a mudança na liderança, está agendado para 07 de setembro deste ano a realização do VI congresso extraordinário do MPLA, sendo candidato ao cargo de líder do partido o atual vice-presidente e chefe de Estado angolano, João Lourenço.

NME // VM

AdChoices
AdChoices
image beaconimage beaconimage beacon