Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

News - Tech & Science - Notícias de Ciência e Tecnologia

Domingo à noite, olhe para o céu. O que verá são as lágrimas de S. Lourenço

Logótipo de Expresso Expresso 10/08/2018 Marta Gonçalves

Longe da linguagem científica, chamam-lhes as Lágrimas de S. Lourenço. Entre os peritos no assunto, é a chuva de meteoros Perseidas. Pode chamar ao fenómenoo que quiser mas se o quer ver,aponte a data: noite de domingo (12 de agosto) para segunda-feira. Em Portugal, este espetáculo noturno será visível sobretudo depois das 23h.

Há cerca de uma semana que vem aumentando o número de estrelas cadentes no céu – experimente olhar já esta noite, por exemplo. A cada noite que passa, mais pontos cintilantes deixam o seu rasto no firmamento mas só dia 12 o fenómeno atinge o seu pico máximo. O ObservatórioAstronómico de Lisboa estima que possam ser vistos cerca de 120 meteoros por hora. Depois, na semana seguinte, o número de estrelas vai reduzindo gradualmente até o fenómeno terminar.

Até se perceber ao certo o que era, despertava muito interesse. Agora, o que interessa à maioria das pessoas é o fenómeno luminoso, o espetáculo da chuva de meteoros. Cientificamente, o que interessa mais é quando um cai e é possível analisá-lo”, disse ao Expresso Rui Agostinho, do ObservatórioAstronómico de Lisboa. E a melhor forma de ver o espetáculo é em lugares pouco iluminados. “Em geral, as estrelas cadentes são de fraco brilho. As luzes de uma cidade ofuscam o brilho das estrelas”, o que torna muito mais difícil observar o fenómeno. Quanto mais escuro o céu, melhor.

Domingo à noite, olhe para o céu. O que verá são as lágrimas de S. Lourenço © CESAR MANSO/ Getty Images Domingo à noite, olhe para o céu. O que verá são as lágrimas de S. Lourenço

Esta chuva de meteoros é popularmente chamada de Lágrimas de S. Lourenço, em jeito de homenagem a S. Lourenço, o santo festejado a 10 de agosto. E como o fenómeno acontece todos os anos mais ou menos por estes dias, o nome pegou. “Há registos deste enxame de estrelas, desde os séc. VIII, IX e X”, mas só em 1835 foi possível provar que era uma chuva regular.

Se este ano não conseguir vê-las, não desanime. Poderá sempre tentar no próximo ou no outro a seguir...


Veja também: Casal alemão defendeu a casa das chamas durante mais de 12 horas

A SEGUIR
A SEGUIR

AdChoices
AdChoices

Mais de Expresso

image beaconimage beaconimage beacon