Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Macron lança medidas para combater a crise em França

Emmanuel Macron dirigiu-se aos franceses para apresentar medidas de combate à crise em França. Pressionado por cinco meses de manifestações de coletes amarelos, o presidente francês apresentou as orientações para a segunda parte do mandato. Depois de dois meses a ouvir as reivindicações dos franceses, Emmanuel Macron sai do Grande Debate Nacional com linhas orientadoras para "transformar França". O presidente francês assumiu a necessidade de reformar o sistema democrático , aproximando o poder dos cidadãos. Uma diretriz que, para Macron, deverá passar pela descentralização do serviço público, a redução do número de parlamentares e do número de mandatos, pelo recurso a referendos de iniciativa partilhada e pela criação de um conselho consultivo com participação dos cidadãos escolhidos por sorteio. "Temos de restaurar uma esperança de progresso para todos, pedindo a cada um o melhor de si mesmo, é assim que poderemos reconstruir verdadeiramente o que chamaria de arte de ser francês, a capacidade de discutir tudo em permanência", disse o presidente, durante o discurso. A justiça fiscal foi um dos temas mais quentes dos protestos dos coletes amarelos. Mas Macron pôs de parte a hipótese de voltar a aplicar o imposto sobre as grandes fortunas, de forma de continuar a atrair investimento para o país. O presidente francês reconhece, no entanto, que a carga fiscal sobre os trabalhadores é já pesada. "Vou ser claro: não quero uma subida de impostos. Quero baixar os impostos para quem trabalha, reduzindo significativamente o imposto sobre os rendimentos", anunciou Macron. A idade da reforma aos 62 anos permanece intacta, mas Macron deixa o aviso: os franceses terão de trabalhar mais para fazer face às despesas. "Temos de trabalhar mais, já disse, é o famoso debate que dura há semanas e é um eixo central, porque se formos a ver, França trabalha muito menos que os vizinhos. Em média, entramos mais tarde no mercado de trabalho, saímos mais cedo, e trabalhamos menos durante o ano. Portanto, precisamos de fazer um verdadeiro debate sobre o assunto, de forma a construirmos reais opções para seguirmos em frente. É essencial", afirmou. Emmanuel Macron anunciou ainda a criação de um " concelho de defesa ecológica " e, no campo social, um mecanismo de garantia de pagamento de pensões alimentares . Em vista, deixou uma "reforma profunda" das políticas migratórias do país. Para pagar as contas, o presidente francês quer subtrair na despesa pública , uma solução que para o Emmanuel Macron se poderá alcançar através de uma reorganização do Estado .
image beaconimage beaconimage beacon