Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Turquia enfrenta União Europeia devido a exploração ao largo de Chipre

A Turquia não se deixa pressionar pela União Europeia (UE) após a decisão tomada segunda-feira, em Bruxelas, de suspender os contactos e os apoios ao país devido à exploração de gás e petróleo em curso ao largo da ilha de Chipre. Esta terça-feira, o Ministério dos Negócios estrangeiros turco garantiu, em comunicado, que o país vai continuar as operações ao largo da ilha dividida há 45 anos entre cipriotas turcos e cipriotas gregos. O atrito resulta da reivindicação de parte a parte de águas territoriais, com a União Europeia a tomar partido pelo respetivo Estado-membro. Os ministros europeus dos Negócios Estrangeiros concordaram suspender as negociações com a Turquia sobre o Acordo Bilateral de Transporte Aéreo, não levar por diante o Conselho de Associação e outras reuniões bilaterais previstas com responsáveis turcos, sugerindo ainda a redução da assistência pré-adesão turca em 2020 e apelando ao Banco Europeu de Investimento para rever as linhas de crédito turcas. "Estas decisões não vão afetar de forma alguma a determinação do nosso país em manter as atividades de hidrocarbonetos no leste do Mediterrâneo", afirmou o Ministério, acrescentando que a UE se esqueceu de mencionar os cipriotas turcos nas suas decisões, "mostrando o quão parcial e partidária é na questão de Chipre". O governo cipriota alega que as operações de perfuração turcas violam o direito internacional. A Turquia diz estar a defender os direitos dos cipriotas turcos à exploração das fontes de hidrocarbonetos ao largo da ilha. No terceiro aniversário da alegada tentativa de golpe em Istambul, o Presidente da Turquia considerou que "os que apoiam a oposição em questões como a do leste do Mediterrâneo, de Chipre ou do Mar Egeu estão a ser enganados". Recep Tayyp Erdogan criticou ainda aqueles que veem como "mera contestação política" a "luta travada pela Turquia nos domínios diplomático, económico e militar", nas quais entrou recentemente também a compra de mísseis russos S-400.
image beaconimage beaconimage beacon