Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

As eleições ucranianas vistas de Moscovo

As eleições presidenciais ucranianas do passado domingo não passaram despercepidas para o vizinho do norte. A Rússia seguiu o escrutínio com atenção, com a imprensa e os líderes políticos com opiniões muito claras acerca do que a eleição de Volodimyr Zelenskiy significa. Em entrevista à Euronews, Konstantin Kosachev, da Assembleia Federal Russa, disse que os ucranianos estavam fartos do discurso contra Moscovo: "Para mim, o mais importante das eleições não é a vitória de Zelensky, mas a derrota esmagadora de Poroshenko," explicou. "Os 25% que recebeu são uma avaliação do seu mandato de cinco anos. E também do programa anti-russo que construiu e da falta de resultados no que diz respeito à guerra com a Rússia." A correspondente da Euronews em Moscovo, Galina Polonskaya, contra que as eleições de domingo na Ucrânia dominaram as primeiras páginas dos principais jornais moscovitas. "Muitos citam o que definem como o apelo de Vlodimiyr Zelenskiy a um espaço pós-soviético, um apelo a uma Ucrânia onde tudo parece possível," explica. Se a Rússia apresenta um poder regional inquestionável na região, a verdade é que partilha uma história comum com a Ucrânia, com laços muito anteriores ao período soviético. Os últimos anos, marcados por violentos conflitos, tanto no leste da Ucrânia, como na Península da Crimeia, não chegam para apagar o que aproxima os dois países eslavos.
image beaconimage beaconimage beacon