Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Maduro manda prender braço direito de Guaidó

Nicolás Maduro está a apertar o cerco das acusações a Juan Guaidó. Desta vez, o sucessor de Hugo Chávez garante que o autoproclamado presidente interino está por detrás de um complô para o assassinar. E, como tal, deve ser preso, diz Maduro, que fala mesmo em "terrorismo", tendo mandado deter o braço direito do seu rival, o chefe de gabinete Roberto Marrero, que estaria a orquestrar o plano. "O senhor Marrero forneceu as provas que nos levaram à captura de um poderoso líder paramilitar colombiano, que está agora nas mãos da justiça venezuelana como produto que é de uma política de terrorismo", declarou Maduro. Num país dilacerado que ainda vai enfrentar mais sanções no final de abril, a mulher de Guaidó, reconhecido por cerca de 50 países entre os quais Portugal, diz não recear Maduro. Para Fabiana Rosales, "o regime está a pensar muito bem. Não se atreveriam... Não tenho medo. Eles sim sempre tiveram medo daqueles que acreditam na liberdade, do povo que sai para as ruas, da comunidade internacional, da liderança política e da nossa assembleia nacional".
image beaconimage beaconimage beacon