Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Edifício Duque de Loulé 79 vendido: Cristiano Ronaldo viveu aqui (na Residencial Dom José)

Logótipo de idealista idealista 10/08/2018 Frederico Gonçalves
© idealista/news

A Residencial Dom José, que durante anos esteve de portas abertas no terceiro andar do edifício Duque de Loulé 79, em Lisboa, teve um hóspede muito especial. Foi ali que Cristiano Ronaldo viveu quando tinha 16 anos. Estávamos em 2001. A pensão não existe desde junho de 2017, mês em que o imóvel foi vendido, revela ao idealista/news a consultora imobiliária JLL, responsável pela transação.

Sem adiantar mais pormenores sobre o negócio, a JLL confirma apenas a venda do Duque de Loulé 79, adiantando que o imóvel foi colocado no mercado no início de 2016. Ou seja, esteve à venda durante cerca de ano e meio.

Certo é que o novo proprietário terá de fazer obras no prédio, dado a sua visível degradação, pelo menos da fachada. A Avenida Duque de Loulé tem sido, de resto, muito procurada por investidores imobiliários e alvo de várias obras de reabilitação. Falamos de edifícios antigos que são recuperados e ganham nova vida como hotéis, escritórios e apartamentos de luxo.   

Mas voltemos ao tema Cristiano Ronaldo e à Residencial Dom José, que nos trouxe até este edifício. Depois de se mudar do Funchal para Lisboa para representar o Sporting, quando tinha apenas 11 anos, o futebolista português partilhou quarto – o número 34 – na referida pensão com o (ainda) amigo Miguel Paixão. Tinha 16 anos e a Academia do clube, em Alcochete, estava a ser construída. 

“Podia ser melhor, mas para remediar, até irmos para Alcochete, até dá”, disse na altura, numa entrevista à Sport TV. 

Mais recentemente, em novembro de 2016, numa entrevista ao Jornal de Notícias, José Pereira, o proprietário do espaço, disse que dormir no quarto onde ficou hospedado Cristiano Ronaldo custava 30 euros por noite. Terá sido assim até a Residencial Dom José encerrar, em junho do ano seguinte, quando o imóvel foi vendido.

Na mesma entrevista, o responsável lamentava o facto de não ter registos fotográficos da época e de só lhe restarem as memórias. 

AdChoices
AdChoices

Mais do idealista

image beaconimage beaconimage beacon