Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"A culpa não é do tempo. A meteorologia não provoca incêndios"

Logótipo de TSF TSF 13/08/2017 Lusa

De acordo com os dados da Autoridade Nacional de Proteção Civil, no sábado foi o dia do ano com mais incêndios: 268 ocorrências, que mobilizaram 6.553 operacionais.

image/jpeg © image/jpeg image/jpeg

No primeiro briefing deste domingo, a adjunta nacional de operações, Patrícia Gaspar, revelou que no sábado os 268 incêndios foram combatidos com o apoio de 1.762 viaturas, tendo sido realizadas 103 missões com meios aéreos. Em curso, dominadas ou em vigilância existem atualmente 510 ocorrências, as quais estão a mobilizar 3.079 operacionais.

Patrícia Gaspar afirmou que o final da tarde e início da noite de sábado foram especialmente "complicados e difíceis" para os bombeiros, nomeadamente na zona centro, tendo sido acionados um Plano Distrital de Emergência (Coimbra) e quatro Planos Municipais de Emergência.

Sobres as ocorrências em curso, a Proteção Civil destaca as mais complexas, que se situam em Aveiro, Alvaiázere, Ferreira do Zêzere, Tomar, Torres de Moncorvo e Castelo Branco.

Questionada sobre as razões de tão elevado número de ocorrências, Patrícia Gaspar referiu que "a culpa não é do tempo. A meteorologia não provoca incêndios florestais, dificulta o seu combate". A este propósito, recordou que mais de 90% das ocorrências de incêndios florestais tem intervenção humana, seja intencionalmente ou por negligência, e que ambas são crimes.

Sobre a autoria destes crimes, Patrícia Gaspar referiu que este é o momento de combater os incêndios e que o apuramento da sua autoria será mais tarde, estando já no terreno as autoridades responsáveis por este trabalho.

A propósito do Mecanismo Europeu de Proteção Civil, que foi acionado no sábado, Patrícia Gaspar revelou estar a contar com dois módulos da unidade militar de emergência de Espanha, país que vai enviar ainda mais dois meios aéreos.

Mantém-se o avião proveniente de Marrocos, sendo provável que outros meios aéreos venham juntar-se no âmbito de mecanismo europeu. Segundo Patrícia Gaspar, continuam a ajudar no combate às chamas 500 meios miliares.


AdChoices
AdChoices

Mais da TSF

image beaconimage beaconimage beacon