Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Investigação a atentados exibe vídeos e fotos dos suspeitos

Imagens de videovigilância captaram em Negombo a entrada na igreja de um dos suspeitos pelos atentados no Sri Lanka. O presumivel bombista trazia uma mochila às costas onde estaria a bomba, responsável por uma das oito explosões que abalaram o país no domingo e fizeram mais de 320 mortos. O vídeo foi também analisado por diplomatas e membros de diversas autoridades. A investigação das forças cingalesas apresentou também várias fotografias que mostram os passos dados pelos bombistas, num dia em que o Estado Islâmico assumiu a autoria dos ataques. "Certamente, as forças de segurança são do ponto de vista de que existem ligações estrangeiras e algumas das provas apontam para isso. Então, se o Estado Islâmico reivindicou o atentado, vamos acompanhar esta afirmação. Já havia a suspeita de ligações com o Estado Islâmico", declarou o primeiro-ministro cingalês, Ranil Wickremesinghe, apelando ainda à união do país. A falha na prevenção dos ataques está a gerar uma crise política. Depois de visitar uma das igrejas atingidas, o presidente Maithripala Sirisena prometeu mudanças nas autoridades. O ataque consistiu em oito explosões que mataram, pelo menos, 320 pessoas, entre as quais um português residente em Viseu, e provocaram mais de 500 feridos. O número de pessoas detidas relacionadas com os ataques atinge as 40, segundo o porta-voz da polícia Ruwan Gunasekera. O responsável da polícia tinha afirmado que as autoridades atribuíam os ataques a um grupo extremista islâmico local, o National Thowheeth Jama'ath, embora considerassem que o grupo teria sido apoiado internacionalmente.
image beaconimage beaconimage beacon